Sobre nós

Seja bem-vindo! Conheça um pouco sobre o blogue.

Legado da Adaga Negra

Leia tudo sobre o novo livro da nova saga da IAN: "Beijo de sangue"

Anjos Caídos " The Fallen Angels"

Aqui podes espreitar alguns capitulos traduzidos. Esperemos que gostes

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

NÓS queremos! Fallen Angels [Anjos Caídos]

Saudações amantes da Irmandade!

Hoje venho aqui publicar algo no Blog, esta publicação conta com a ajuda preciosa da nossa Nighshade, e apenas queremos aguçar a vossa curiosidade.

Como já foi referido o IMMORTAL não irá ser publicado em Portugal devido a falta de aderência dos leitores a esta saga, apesar de estar-mos no ultimo livro.


O que pretendemos com esta publicação? Deixar-vos MUITO curiosas com o que irão ler... e assim conseguirmos fazer pressão na editora para que publique o ultimo livro. Concordam comigo? Espero que sim, assim como espero que a Leya não nos queira fuzilar... mas pediram para chamar-mos fãs... ora, é o que estamos a tentar fazer.

Esta tradução foi feita pela nossa Nighshade, espero que gostem!



Anjos Caídos # 6

Immortal  Capítulo 1 Por vezes, o que uma miúda necessita é de um novo par de sapatos.O demónio Devina deambulava pelo hall de entrada do Freidmont Hotel com satisfação, troteando para a frente e para trás, abanando as ancas. Na sua mente os pensamentos estavam fincados na acção da noite anterior.O seu corpo vestia couro justo e fino desde os seus seios copa duplo D, percorrendo as suas longas pernas até chegar às suas botas número 38. E em relação às feromonas, se ela acumulasse mais a sua aura 'alguém me foda', iria perfurar as paredes revestidas com painéis.Olhares perseguiam-na. Homens e mulheres. E porque não? Caldwell não ficava longe da cidade de Nova Iorque, e pessoas famosas apareciam sempre vindas da Big Apple. Apesar de ninguém a reconhecer do mundo dos filmes e da televisão, ela transbordava a beleza clássica.Pelo menos sempre que vestia esse corpo humano para ocultar a sua verdadeira aparência.De volta aos sapatos.Estava a dirigir-se para as portas giratórias, a atravessar o suave caminho de mármore creme, quando viu os saltos-altos... e parou, imobilizando-se. Numa montra acrílica, como se de jóias se tratassem, um par de Louboutins dourados brilhavam como holofotes, e oh... que beleza: a pele de cada um estava coberta com um milhão de micro-cristais Swarovski, aparentando uma superfície líquida. E o estilo? Saltos-altos agulha, altos o suficiente para colocar qualquer uma que os adquirisse em en pointe. Uma pequena abertura para o dedo grande do pé. Plataformas escondidas para suportar a base do pé.E as solas eram, obviamente, vermelhas, a irradiarem cor de uma maçã cristalizada.Foi amor à primeira vista.- Minha senhora, gostaria de os experimentar?Ela nem se deu ao trabalho de olhar para o homem que tinha surgido ao seu lado. Distúrbio Obsessivo-Compulsivo era um distúrbio de posse, de ter de adquirir, e mais uma vez as suas garras prendiam-se ao seu coração. Apesar de ela ter quase mil pares de sapatos no seu roupeiro, a ideia de não poder ter este par em particular, de alguém os poder possuir ou que alguma coisa a impedisse de os ter, fez com que o seu peito apertasse, as palmas das mãos suassem e o sangue fluísse com mais força nas suas veias.- Minha senhora?- Sim, - ela respirou. - Número 38.- Venha comigo.Ela seguiu-o como um cordeiro, olhando por cima do ombro para verificar se os sapatos continuavam no mesmo sítio de onde os tinha deixado. Pior das hipóteses, ela poderia sempre roubá-los...No fundo da sua mente a campainha Nelly tocou. Durante todo ano, ela tem ido a sessões de terapia para tentar parar com este tipo de extravagância.Porra, acalma-te Devina. São só sapatos, só são...O que não vai resolver os teus problemas com o Jim.Okay, agora apetecia-lhe vomitar.
Merda, o que é que era mesmo suposto que ela dissesse? Tentou lembrar-se das palavras que ajudariam a sair desta espiral descontrolada numa perspectiva mais saudável, mas existia um engarrafamento no seu sistema neuro-estradas. Tudo em que conseguia pensar era: Obter, manter, contar...Obter, manter, contar...Obter, manter, contar...Bolas, era um grande retrocesso. Graças à actualizada, pós-menopausa mulher com doutoramento na parede e corpo grande e fofo, Devina tem conseguido encarar as suas compulsões. Mas isto... isto era a velha escola, e não de uma forma positiva.E sim, ela sabia o porquê de estar a acontecer.Era mais fácil pensar nos sapatos.A boutique estava nas traseiras do hall de entrada, e à medida que caminhava através da entrada de vidro e de mármore, o ar perfumado nada fez para acalmar o seu anseio. A única coisa que iria ajudar era...- Disse número 38? - Perguntou o vendedor.Devina disparou um olhar. O Sr. Não se Lembrar de uma Porra de um Número de Calçado tinha um bom fato com uma boa gravata de seda, e o seu cabelo cinzento estava esculpido atrás da sua testa cheia de botox. Apercebeu-se que a fragrância sofisticada do local era a sua colónia, e enquanto mexia no seu lenço de bolso, as suas unhas espelhavam brilho.Ele era demasiado composto para ser morto. Além disso, como depois obteria ela os sapatos?Trinta e oito - disse ela rispidamente. - Número 38.- Muito bem, minha senhora. Gostaria de beber uma mimosa?Não, quero a porra dos meus sapatos.- Obrigada, não.- Muito bem.Deixando-a com os seus pensamentos, ela andou através do Aubusson falso e olhou para outros saltos-altos que se poderiam comprar. Judith Leiber minaudières. Mais sapatos, mas nada que morresse por ter. Casacos Akris. Malhas St. John. Vestidos Armani.Ao apanhar o seu perfil num dos muitos espelhos, verificou o seu rabo... e voltou a pensar como passou a noite anterior.O seu único verdadeiro amor tinha-a tomado possantemente. Tiveram perto de oito horas de sexo épico na sua suite, exactamente como ela queria. E o facto de ele se ter odiado durante todo o acto? Cereja no topo do bolo.Jim Heron era um amante dos diabos.Tragicamente, isso não era a única coisa que ele era... e eis a raiz do problema. Ele era um batoteiro. Ele era um mentiroso. E ele não entendia o conceito de monogamia. Mesmo após aquela noite incrível? Ele tinha voltado a casa para ir ter com a outra.Meu Deus, a ideia da virgem Sissy ser a sua competição, deu-lhe vontade de comprar tudo da maldita loja. Até a porcaria que não lhe serviria.À medida que contabilizava os custos, item a item, tentou controlar-se para aplacar o seu distúrbio, lembrando-se que liderava três rounds para dois na guerra pela humanidade. Portanto, se ela ganhar a alma da próxima batalha, pelas regras impostas pelo Criador, receberá tudo. Não só manteria a sua colecção e as suas crianças no Inferno, como ganharia o domínio total da Terra bem como do Céu.Para alguém como ela, era o sonho de toda uma vida, o bilhete vencedor da Lotaria com um Jackpot na ordem dos milhares de milhões.E em relação à colecção de sapatos? Ela poderia escravizar o Manolo, Stuie, Christian, e pô-los a fazer mais nada do que sapatos para ela por toda a eternidade.Mas, ainda melhor... ela conseguiria o Jim.- Minha senhora, peço imensa desculpa.Devina virou-se. O Sr. Manicure tinha aparecido da parte de trás... mas sem uma caixa na mão.- Desculpe?- Temos apenas o tamanho abaixo do seu. Posso encomendar...O homem clareou a sua garganta. Duas vezes. Depois abriu a boca para respirar. Levantando a sua mão bem cuidada para o nó da sua gravata igualmente bem cuidada. Os seus olhos imobilizaram-se.- Estava a dizer? - Disse Devina lentamente.Um pequeno estalido saiu dele enquanto tentava recompor-se ao mesmo tempo em que falhava o ar nos seus pulmões.Mas bolas, se ela o matasse, como é que conseguiria os sapatos que estavam atrás na loja?Devina libertou a pressão invisível da garganta do homem.- Traz-me o número abaixo.O homem dobrou-se e apoiou uma mão no expositor, derrubando alguns sapatos brilhantes para fora dos seus suportes.- Agora! - Ladrou, atirando uns olhos duros para ele.Atravessando atabalhoadamente o tapete, no momento em que ele se encontrou atrás da cortina de seda, tossiu e ofegou como um asmático numa estufa de flores.No entanto, passados dois minutos e trinta e nove segundos, o homem apareceu com uma caixa bege. Não que ela estivesse a contar.Não ouviu uma única palavra que ele dizia à medida que se aproximava, tendo os seus olhos fixos no objecto que ele trazia nas mãos. Cresceu uma tentação de o esganar, mas ela queria ver os sapatos nos seus pés, mesmo que estes não combinassem com a sua indumentária.Apesar de, porra, Swarosvski e cabedal preto serem um clássico.Devina aproximou-se de uma das três cadeiras de damasco e atirou com os Guccis pretos dela.- Dá-mos, agora.A caixa com os sapatos foi-lhe dada como exigido e as mãos dela tremeram quando a abriu e suspirou. O par de bolsas vermelhas com a assinatura preta Louboutin foram uma verdadeira maravilha e as mãos dela tremiam ao abrir o cordão de uma das bolsas. Depois... oh, que beleza.O cintilar era muito melhor que as pequenas bolsas. Melhor do que ela tinha visto no lobby através da vitrina. E a cor era tal e qual como... a pele de Jim.Ela fechou os olhos reverentemente e rezou para que o vendedor ficasse quieto. Se ele dissesse alguma coisa em relação aos sapatos não servirem, ela arrancar-lhe-ia a cabeça, literalmente.Com cuidado, ela retirou o outro e alinhou-os lado a lado no chão. Depois ela ajustou a estrutura dos seus pés para que estes entrassem nas obras de arte, os ossos e pele como água a encher um vaso, moldando-se.O vendedor pareceu um pouco surpreendido quando ela se levantou e andou de forma confortável, mas ele não ia dizer nada, e que sortudo que ele era. E mais, vá lá, os Loubous custariam o quê, perto de cinco mil? Ele trabalhava à comissão.Devina sorriu quando olhou para baixo, para os seus pés, uma onda de alívio a limpar toda a angústia sobre Jim e a guerra e aquela cabra da Sissy. De repente ela brilhou de dentro para fora, como se tivesse tido um violento orgasmo, um sundae de caramelo, uma massagem profunda de uma só vez.Estes eram os sapatos mais perfeitos do mundo inteiro, e eles eram seus e de mais ninguém, e ela iria levá-los para o seu roupeiro, imediatamente.A campainha na sua cabeça fez-se ouvir novamente, a avisar que ela estava a cometer um deslize.Que se foda.Os saltos-altos eram épicos, e mal podia esperar que Jim a visse com eles calçados, e de preferência nua.Sim, estes ela ia reservar para ele.Descalçando-os dos seus pés, colocou-os de novo na caixa tal como lhe tinham sido apresentados e verificou novamente se a pequena bolsa vermelha com as capas extras dos saltos se encontrava lá. Depois lançou um olhar para o vendedor, que estava a respirar discretamente do seu inalador.- Coloca-os na minha conta - disse ela triunfantemente. - Estou na penthhouse.Quando o teu homem ia para casa ter com a outra, terapia de retalho era a única coisa que funcionava. 


Nós somos poucas fãs, mas mesmo sendo poucas, nós precisamos do nosso IMMORTAL, porque digam lá..... este bocadinho deixa-nos ou não nos deixa ANSIOSAS?


Obrigada Nighshade

Já Publicados em Portugal....

eBooks







Cobiça

Desejo

Inveja

Êxtase

Possessão

Livros






















Cobiça

Desejo

Inveja

Êxtase

Sim, nos livros fisicos falta-me um....mas compenso nos eBooks que tenho todos. Mas oh Nasan porque tens em fisico e digital? Bem... porque sou maluca mesmo e não se aplica SÓ aos Anjos Caídos hehehe

Até à Próxima Sombra....

*Nasan

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Fãs da Irmandade RPG no Facebook

Saudações Amantes da Irmandade!

Sim sou eu!!! Estou viva!! Desculpem a ausência. mas o tempo é curtinho e vocês podem contar sempre com a companhia da nossa Sunshine!!

Ora bem, a razão da minha publicação de hoje é a seguinte! Certamente que estão recordados que nós participávamos no facebook do RPG da Irmandade, hoje esse grupo intitulado como IRMANDADE, foi encerrado!

Porque? Simples, a inveja de grupos concorrentes e não só, é aos montes e as denuncias cada vez mais frequentes, porque infelizmente há quem não faça NADA mas não suporte ver o brilho dos outros, que entram na pele do personagem, que respeitam o personagem que fazem da Irmandade.

Alem de nos copiarem os avatar no grupo, copiam também as nossas acções no grupo. E só não copiam as nossas cuequinhas por upa upa, elas nao andam a vista.

Infelizmente o ecerramente deste grupo, não só deixou-me a mim muito triste, porque são 5 anos a interpretar a minha Beth Randall, acções, festas, alegrias e tristezas. Contas denunciadas e recuperadas... e para mim chega!

Eu tenho este blog e se não for a MorCeGo e a Sunshine ele estaria as moscas, fora mais o blog Livros Nas Estrelas... leituras, opiniões, trabalho, Código, filhote, gatos, casa e tudo mais que existe no lado de fora da tela de um portátil. O Dia contem apenas 24 horas... o que para mim não chega. E acredito que para muitas mais pessoas também não... então há escolhas que tem de ser feitas.... e o grupo da IRMANDADE, mais concretamente o grupo do facebook Mansão da Irmandade Portugal, foi encerrado hoje....

Mas há a possibilidade de haver uma alternativa NOVA e que irá englobar as fãs da Irmandade.

Até lá, aviso e repito, qualquer outro grupo com o nome IRMANDADE, NÃO PERTENCE MAIS A ESTE BLOG!

Ex: Beth Randall Irmandade / Wrath Irmandade / Nalla Irmandade...

Tudo o que contenha IRMANDADE no nome do personagem NÃO nos pertence mais... e se usarem o nosso nome, só comprova o que já se desconfiava.... gente que denunciava as nossas contas com a esperança que desistíssemos para ficarem com o NOSSO NOME e tentarem BRILHAR com o nosso trabalho e esforço!

Assim como o Avatar que eu a 5 anos atrás escolhi após muito trabalho, para a minha Beth Randall, que até a data não era usado por NINGUÉM, mas foi preciso haver denuncias a minha conta e logo surgiram gentinha retardada com o mesmo avatar que eu.....  FRACAS!

Digam lá se não é linda?


É e sempre será a minha Beth Randall 


Oh Nallum, va lá, não fiques assim... juro-te... Butch pode até ser da familia... mas naquela epoca.... dizia que era assim... bem pequenininho.... aqui entre nós? Nem sei como a Marissa não precisa de uma pinça para segurar aquilo.....

hehehehehehe

Beijokinhas e estejam atentos.... noticias em breve!!

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Mais um cheirinho d'A Besta

Olá pessoal!!!

Espero que esteja tudo bem convosco... Eu ando meio entediada... Acabei o mestrado, ainda não arranjei emprego, não há grandes novidades no meio da procura, a faculdade demora a fazer um dos certificados que pedi e eu vou lendo para me entreter... E era isso que andava a fazer quando recebi a notificação que a nossa Ward publicou um cheirinho do The Beast. Acho que ela ficou com ciumes de eu me estar a viciar na Saga dos PN... (Até parece que sou muito importante... Pronto, está bem, vou ao que interessa!!!)

OK, aqui está a minha tradução amadora do cheirinho:

--------V.P.--------
A Mary estava na ponta dos pés, inclina sobre o cimo da cômoda, a tentar colocar o brinco de pérola na orelha e a falhar o buraco. Com a sua cabeça inclinada para o lado, o seu cabelo castanho escuro fluía por cima do ombro, e fogo, como ele queria acariciá-lo. E sabes que mais, não era a única coisa que queria colocar as mãos. O corte liso do maxilar dela captou a luz do candeeiro da parede e a blusa creme de seda envolveu-lhe os seios e as calças dela caíam até às sabrinas. Sem maquilhagem nela. Sem perfume.

Mas isso seria como tocar na Mona Lisa ou acertar com um Febreeze numa roseira.

Havia cem mil maneiras para detalhar os atributos físicos das sua companheira e nem uma única frase, ou até um livro inteiro, chegaria perto de descrever a presença dela.

Ela era o relógio no seu pulso, a carne assada quando ela está esfomeado, e o jarro de limonada quando ele está sedento. Ela era a capela e o seu coro, a cordilheira para a sua vontade de viajar, a biblioteca para a sua curiosidade e todos os amanheceres e pores-do-sol que sempre foram e sempre serão. Com um olhar ou uma mera sílaba de uma palavra, ela tinha o poder de transformar a sua disposição, fazendo-o voar enquanto os seus pés se mantinham no chão. Com um único toque, ela podia acorrentar o seu dragão interior, ou fazer com que ele se viesse mesmo antes de ele ficar duro. Ela era todos os poder no universo aglomerados numa criatura viva, e a respirar, o milagre que lhe tinha sido concedido apesar do facto de ele não ser merecedor desde há muito tempo.

Muito resumidamente, a Mary era a sua vida.

Sim… apesar de todo o tempo que passou, ele ainda a estava a sentir.

A Besta, pág. 8 do manuscrito

-----------------

Qualquer crítica/comentário ou assim será bem vindo. A baixo deixo-vos as capas americana (a azul) e britânica (a vermelho) do livro seguido da versão original, para quem estiver interessado. :)

Até à próxima actualização,
Sunshine ;)



--------V.O.--------

Mary was up on her tiptoes, leaning over the top of the bureau, trying to put a pearl stud into her earlobe and missing the hole. With her head titled to the side, her deep brown hair flowed over her shoulder, and man, he just wanted to stroke the stuff. And what do you know that wasn't the only thing he wanted to get his hands on. The clean cut of her jaw caught and held the light from the crystal sconce on the wall and her cream silk blouse draped over her breasts and her slacks fell to her flats. No make up on her. No perfume.

But that would be like touching up the Mona Lisa or hitting a rose bush with some Febreeze.

There were a hundred thousand ways to detail his mate's physical attributes and not one single sentence, or indeed an entire book, that could come close to describing her presence.

She was the watch on his wrist, the roast beef when he was starving, and the pitcher of lemonade when he was thirsty. She was his chapel and his choir, the mountain range to his wanderlust, the library for his curiosity and every sunrise and sunset that ever was or would ever be. With one look or the mere syllable of a word, she had the power to transform his mood, giving him flight even as his feet stayed on the ground. With a single touch, she could chain his inner dragon, or make him come before he was even hard. She was all the power in the universe coalesced into a living, breathing thing, the miracle that he had been granted in spite of the fact that he had long been undeserving.

Quite simply, Mary was his life.

Yeah... even after all this time, he was still feelin' her.

-The Beast, pg. 8 of the manuscript