Sobre nós

Seja bem-vindo! Conheça um pouco sobre o blogue.

Legado da Adaga Negra

Leia tudo sobre o novo livro da nova saga da IAN: "Beijo de sangue"

The Fallen Angels

Conheça a série Anjos Caídos.

segunda-feira, 13 de março de 2017

IMMORTAL: Gostinho 39 e 40

Saudações Amantes da Irmandade

Vamos a mais um docinho para a alma? Bora lá então. Mas antes, obrigada
Nightshade



Anjos Caídos #6

Immortal

Capítulo 39

Enquanto o arcanjo Nigel olhava para as grandes muralhas da Mansão das Almas, os seus olhos estavam focados na bandeira da vitória que esvoaçava ao pé das outras duas. Mas ele não pensava na vitória de Jim, nem se debatia com o facto de ser habitual o salvador ir até lá acima e marcar a ocasião com uma visita. Apesar de o anjo não ter comparecido.
Não, Nigel estava preocupado com outra coisa. Ele sabia muito bem o que se passava lá em baixo, Jim estava prestes a morrer, e tendo em conta que só faltava a última batalha, Nigel devia de ter iniciativa e interferir.
Afinal de contas, o Criador permitia interacção no que dizia respeito ao salvador, e curar uma ferida na cabeça, era sem discussão, uma forma de «intervenção».
Em vez disso, ele esperava que o convocassem. E não ficou impressionado pela sua aparente disposição de usar esta situação terrível para os seus motivos pessoais.
Realmente, o desespero podia mudar as pessoas, não podia?
- Ah, sim - ele suspirou. - Bem-vindo Edward.
Com a permissão dele, o anjo materializou-se na relva ao lado dele… e foi muito agradável ver o gajo. Edward, sem dúvida que era alto e forte, mas o que o fazia mais útil era o seu olhar calmo, mesmo com Jim gravemente ferido na Terra, todas as faculdades necessárias estavam intactas.
Nigel sorriu, e não de uma forma de desdém educado. Ele estava, honestamente, contente por ter aquele lutador de volta.
- Que bom ver-te.
A vénia de Edward foi reverente. Apropriada. Considerada.
E era como um copo de água fresca num lugar quente e seco: mesmo bastante apreciado.
- Senti saudades tuas, meu velho amigo. - Nigel ofereceu a mão e os dois cumprimentaram-se. - E eu não perderei mais tempo. Estou ciente porque vieste.
- Podes ajudar?
- Não - mentiu. - Ainda estou a recuperar das minhas férias mal programadas. Mas, vamos embora e resolver isso, vamos?
Ele conduziu o caminho através do relvado, passando a passos largos pela mesa que já estava disposta para o chá, apesar de faltarem horas para o repasto. Previsivelmente, quanto mais se aproximavam do rio sinuoso e da tenda do seu ex-amante, mais o coração imortal de Nigel batia. Colin evitava-o de forma estudada e deliberada, ao ponto de não existir nada dele para encontrar.
Sob a máscara da calma, Nigel estava quase a quebrar, e a energia necessária para afectar a mentira da razoabilidade pragmática criou uma dor nas suas têmporas.
Ele estava aterrorizado que o outro arcanjo não se encontrasse ali, mas felizmente, Colin estava reclinado na sua cama desdobrável, com um livro velho de cabedal nas mãos, e ele olhou para Edward quando se aproximaram. Imediatamente, ele colocou o livro de lado, aproximou-se e abraçou o anjo, dando-lhe palmadas fortes nas costas.
- Estou feliz que tenhas voltado, companheiro. - Os olhos de Colin, aqueles olhos adorados e intensos, passearam pelo rosto de Edward, como que a verificarem se as feições do anjo estavam no lugar. - E não pareces nada mal.
Oh, como Nigel ansiava aquele tipo de boas-vindas em casa.
Os dois trocaram breves palavras, nada das quais Nigel ouviu ou se interessava.
- A tua assistência é requisitada - interrompeu Nigel. - Houve um acidente lá em baixo.
Edward olhou para ele surpreendido pela tensão calma que mostrou.
Entretanto, Colin olhou para fora da entrada da tenda, sem dúvida desejando que a visita de Edward tivesse sido um caso isolado.
Nigel sentiu-se compelido a continuar:
- Existe uma cura para se fazer e eu não me encontro capaz de a realizar.
- Então, vamos em frente, companheiro - disse Colin a Edward. - E eu irei…
- Vamos todos juntos.
Isso deu a Nigel a atenção que desejava, aqueles olhos viraram-se e semi-cerraram para ele com um desgostar que o arcanjo normalmente demonstrava a Devina.
Nigel levanta uma sobrancelha:
- Estou convicto que tu, mais do que ninguém, não vai deixar que inimizades pessoais metam-se no meio do teu trabalho.
Colin bate o maxilar com força, as cavidades debaixo das bochechas a destacarem um duro relevo. Mas ele não discordou.

Aquilo não suavizava nada o conflito, mas pelo menos os dois iam para um espaço fechado juntos durante o tempo que fosse preciso para trazer Jim de volta e ir à acção. E claro, tinha que ser esse o resultado para o salvador. Independentemente dos problemas entre ele e Colin, eles tinham que trabalhar juntos para se assegurarem que Jim não estava perdido.
E se houvesse uma hipótese de haver conversa? No meio de tudo?
Nigel estava preparado para ser um oportunista.
***
Na sua vida antiga, Sissy tinha visto algumas contusões de cabeça - principalmente em campos de jogos. Ela tinha estado nas bancadas do desporto três anos antes e testemunhou quando uma ofensiva atingiu um dos jogadores da equipa adversária de futebol americano, fazendo-lhe saltar o capacete e ficar inconsciente. Ela nunca se esqueceu como o público ficou silencioso e apreensivo, mal respirando até que os paramédicos em campo estabilizassem o pobre miúdo. Ele estava tão mal que tiveram de o levar numa maca para fora do campo sem se aperceber dos aplausos que o público lhe fazia de pé a apoiá-lo. Mais tarde, ela leu que tiveram de o ensinar a andar de novo.
Depois, tinha visto uma rapariga de uma equipa de softball a ser atingida por uma bola. Um miúdo de uma equipa de hóquei que só parou quando bateu na baliza. Um tipo numa festa, podre de bêbedo, que decidiu que podia voar e aprendeu da pior forma que não podia. Todos eles tinham parado num hospital.
- Não podemos chamar o 911? - Ela ouviu-se perguntar.
Jim tinha sido admitido no hospital na última batalha, e isso não o ajudou muito, e foi quando ela aprendeu que podia entrar na pele das pessoas. Se ela pudesse fazer isso agora? Com ele? Ela colocar-se-ia na posição dele num piscar de olhos. Ele era importante e necessário. Ela não era.
Principalmente, com mais uma batalha à vista.
- É melhor esperar aqui - afirmou Ad.
- Ele ainda respira?
- Sim, respira.
- Sim, ele está…
Houve um flash de luz, como se alguém tivesse acendido e desligado uma lâmpada muito rápido. E depois, de repente, haviam mais três pessoas na casa de banho: Eddie e os arcanjos. Colin e Nigel tinham materializado no ar. Mas não tinham maletas de médico com eles. Ou uma maca. Ou vindo numa ambulância.
Era difícil de acreditar se isto eram boas ou más notícias.
Ambos os arcanjos semi-cerraram os olhos para ela.
- Óptimo - disse Nigel. - Foi tudo bem executado.
- Não se o Jim morrer - ela murmurou, saindo do caminho para que eles pudessem fazer o que tinham vindo para fazer.
Quando Nigel indicou para a frente, Colin deu ao outro arcanjo um olhar desagradável, depois ele avançou e baixou-se para perto de Jim. Inclinando-se dessa forma, ele verificou cada ângulo da cabeça e a poça de sangue prateado que estava a ficar maior. E depois, ignorou Jim. Levantando-se, ele inspeccionou o canto do lavatório, a fazer barulhos de «hum-hum» que ela assumiu - bem!!!-  estarem associados com a avaliação do semi-cadáver que não respondia no chão.
Quando ela estava para dizer alguma coisa, Ad agarra no seu cotovelo e sussurra:
- A forma como os humanos recebem tratamento para este tipo de ferida é diferente de como temos de lidar com Jim.
- Que queres dizer? - Ela perguntou me voz baixa.
- Foi um acidente. Portanto, não há vontade anexada. Não foi feito por ninguém, ele não escolheu isto para ele e é isso que faz toda a diferença. Quando não há malícia nem intenção, Colin pode fazer desaparecer o impacto, mas não no corpo e sim onde ele bateu com a cabeça.
Sem fazer qualquer contacto, Colin colocou as mãos na mancha de sangue prateado que se encontrava no lavatório, depois moveu as palmas por cima e à volta num movimento lento e deliberado.
No início, ela pensou que nada estava a acontecer, mas depois houve um som subtil que estava a aumentar.
Partir. O lavatório estava a partir como se tivesse a ser sujeito a algum tipo de pressão ou calor, apesar de ela não conseguir ver nada entre o que saía daquelas mãos e a superfície do lavatório. E o padrão das teias de aranha tornou-se mais intenso e espalhou-se mais à medida que Colin fazia o que estava a fazer.
- Oh, meu Deus. - Ela sibilou quando olhou para Jim. - Está a dar resultado.
Como magia, o sangue no chão de mármore estava a recuar, a poça a ficar cada vez mais pequena… até desaparecer por baixo do cabelo dele.
Entretanto, Colin começou a tremer, uma corrente de maldições a saírem da sua boca, os músculos dos seus antebraços a descontraírem como se tivessem puxado uma corda. E Jim, depois também tremia, as suas pernas e os seus braços a contorcerem, a sua cabeça a ir para cima e para baixo numa série de convulsões.
Depois, a coisa mais estranha aconteceu. Uma onda de energia emergiu das mãos de Colin e, de repente, os sons de alguém a cair, a golpear a cabeça e a cair no chão foram ouvidos ao contrário: queda desordenada de braços e pernas no lavatório; queda aguda, impacto horrível, e depois o cair, como se alguém tivesse voado pelo ar na frente dela.
Abruptamente, Colin cai para o lado como se todo aquele esforço tivesse retirado todas as suas forças… e Nigel foi quem o apanhou antes que atingisse o chão, o outro arcanjo a colocá-lo de costas e a deitá-lo cuidadosamente no mármore.
- Está feito? - Ela perguntou quando Nigel se afastou.
Mas ela já sabia a resposta quando foi ter com Jim: As pálpebras dele abriram-se e respirou profundamente, a sua boca a suspirar, os seus olhos a abrirem-se mais. E depois, ele praticamente pulou do chão, concentrando-se na banheira.
- Sissy! - Ele gritou.
- Estou aqui! Jim?! Estou aqui!
Jim virou a cabeça tão rápido, que foi espantoso não ter solto o pescoço. E depois, ele congelou como se não conseguisse perceber o que estava a ver.
- Jim, eu estou bem.
Ele agarra no rosto dela com as mãos e beija-a. Depois acaricia-a.
- Tens a certeza? - Ele perguntou roucamente. - Porra, diz-me que estás…
Ela sobe a camisola e mostra a sua barriga lisa e sem marcas. Jim cedeu de alívio, e ela estendeu a mão para se assegurar que ele não lhe caía em cima. Como resposta, ele envolve-a com força e abraça-a.
- Acabou - disse ela. - Acabou e estamos bem…
Enquanto ele tremia contra ela, ela rezou a agradecer, e respirou de alívio. Ela não sabia durante quanto tempo aquele momento de paz ia durar, mas caramba, ela ia desfrutá-lo. Principalmente, porque ela estava finalmente sozinha na sua pele.

Capítulo 40

Enquanto Nigel se sentava no chão duro à frente de Colin, este continuava imóvel. Embora, normalmente ele não fosse do tipo de estar em inacção por longos períodos de tempo, pareceu-lhe uma eternidade desde que pôde ter uma visão desimpedida do macho, e ele ia tirar bastante proveito desta boa sorte, especialmente com os outros já de partida e eles os dois terem sido deixados para trás.
Há muito tempo que Colin não cedia à exaustão e, quando as suas pálpebras abriram-se lentamente, Nigel saltou do silêncio, aproveitando o que poderia ser o único momento para dizer o que queria.
- Lamento tanto, Colin. Nunca te devia ter deixado daquela forma. Eu devia de ter contado os meus medos, e ter chegado a uma solução contigo. O meu pensamento… - Ele fez um gesto em direcção à cabeça dele - … foi errado, não culpo ninguém a não ser eu mesmo, e não espero que me perdoes. No entanto, a explicação, é necessária.
Colin agarra-se à borda do lavatório e eleva o seu torso. Depois esfrega a cara. Dá um profundo suspiro. Passa a mão pelo seu cabelo escuro.
- E sim - disse Nigel -, é injusto abordar-te assim, quando ainda recuperas. Mas como é que eu iria conseguir dizer isto?
Colin arranjou as pernas de modo que cruzaram nos tornozelos, e pôs as palmas das mãos nas suas coxas. As suas mãos moveram-se para cima e para baixo lentamente.
Nigel limpou a garganta.
- Eu estou arrependido… - A voz dele falhou. - Mais do que tu pensas. Mas ao pedir ao Jim que desistisse de Sissy, senti que era injusto da minha parte não oferecer um sacrifício de igual impacto nesta guerra. Um verdadeiro líder nada mais espera dos outros do que aquilo que ele próprio pode fazer. Tu és a base do Céu para mim. Não existia maior garantia de luta do que te deixar… e foi por isso que eu agi sozinho. - Ele tentou alcançar a mão do outro arcanjo, mas ele sabia que era cedo demais. - Enquanto eu estava no Purgatório, a dor de te ter perdido tornou-se mais insuportável do que o tormento que me afligiu naquele local. Eu estava… despojado por te ter perdido, e o que eu fiz para nos favorecer contra a Devina foi um conforto frio, muito frio. Eu escolheria outro caminho, mas se tivesse que fazer tudo outra vez? Eu faria…
À medida que a sua voz se deixava de se ouvir, muitas outras palavras se entalavam na sua garganta, revolvendo-lhe a mente, mas elas era simplesmente variações daquilo que ele tinha acabado de dizer.
No entanto, havia a tentação de cair no tormento, de continuar a falar, na esperança que algo mudasse a situação em que os tinha colocado. Mas Colin detestava perder tempo, e a justificação, mas mesmo assim, tinha sido feita. Baixando os olhos, Nigel levanta-se para descobrir que estava desequilibrado e muito perto de desmaiar. Especialmente, quando se virou para se ir embora da casa de banho e deparou-se com a vastidão vazia do apartamento que Devina havia ocupado.
A estéril extensão parecia uma metáfora tão apropriada.
- Não acredito que percebas como foi.
Com o som da voz de Colin, ele virou-se tão depressa que teve que abrir os braços para se equilibrar. Com o coração a bater-lhe forte no peito, disse:
- Conta-me.
Mesmo que isso o matasse.
À medida que ele ficava na entrada da casa de banho, o rosto de Colin estava desenhado com linhas de raiva.
- Eu fiquei sobre o teu corpo. Eu chorei sobre o teu corpo. Eu paguei-te e carreguei-te para a margem do rio e sentei-me ao pé do fogo que te consumia. Ardeu durante horas.
Nigel fechou os olhos e pôs as mãos no rosto.
- Não - disparou Colin. - Tu não tens permissão para fazer isso. Tu não tens permissão para te protegeres das tuas acções. Não havia nada que eu pudesse fazer depois de tudo… deixaste-me sozinho a lidar com isso, sem saber… maldição, sem saber o porquê de teres feito o que fizeste. Portanto, bem que podes estar ciente neste momento.
Nigel baixou os braços e recusou que os seus olhos fossem para outra direcção, apesar de ter o peito tão apertado que mal conseguia respirar.
- Eu lamento, eu lamento tanto…
As sobrancelhas escuras de Colin juntaram-se.
- Pensas que eu não te conheço?
- Não, tu conheces-me melhor do que ninguém.
- E é por isso que estou ofendido. - Colin cruza os braços sobre o peito. - Tu pensavas… pelo amor de Deus, Nigel. Tu pensavas que eu não sabia o que estávamos a enfrentar naquele momento da guerra? O que enfrentavas e as escolhas que acreditavas que tinhas de fazer? Com Jim a falhar como estava? Absorvido com o destino daquela inocente, Sissy, e a dar as suas asas? Pensavas que eu não reconhecia tudo isso e…
Quando Colin não terminou, Nigel pigarreou.
- E o quê?
- Pensaste que, independentemente do quanto me iria destruir, que eu não te teria deixado ir?
Nigel colocou o rosto novamente nas mãos, e desta vez Colin não disse nada sobre o véu de palmas nos seus olhos.
- Eu ter-te-ia deixado ir - disse Colin bruscamente. - Porque era a melhor coisa a ser feita, o único caminho que tínhamos nesta guerra maldita. Alguém precisava de ser o salvador naquele momento, e a única forma de tirar Jim do papel… era fazer exactamente o que fizeste.
Tudo parece tão devastador, pensou Nigel no silêncio que se seguiu. Colin praguejou.
- Eu também teria feito o sacrifício. Mas, ou tu não confias o suficiente em mim, ou pior, quiçá, tu realmente não me conheces assim tão bem. Eu sou um soldado, e como tal, eu não renuncio a lógica ao pensamento. Mesmo que as emoções sejam… esmagadoras.
Nigel apercebeu-se no momento em que o outro arcanjo se foi embora, apesar de não ter havido qualquer movimento ou som. Em vez de seguir Colin até ao Céu, ele viu-se a cair de joelhos no meio daquele vazio. Ele não tinha prática com arrependimentos. Ele até então tinha vivido a sua vida imortal com deliberação e auto-controlo - e não havia curado nenhuma pequena quantidade de superioridade por causa disso.
Agora, porém, ele sentia-se conectado à humanidade num nível totalmente novo.
Compaixão era mais fácil de oferecer se alguém estivesse a sofrer.



 Boas Leituras!

Até à próxima...

quarta-feira, 8 de março de 2017

Afiliados Removidos

Saudações Amantes da Irmandade!

Como devem de ter notado, temos um cantinho reservado aos nossos afiliados, que eram ao todo 8. A partir de hoje, irão ver que a partir de hoje, teremos apenas e unicamente 3.

Isto porque notei que os nossos afiliados, até ao presente, não continham o nosso Banner como combinado, pois o removeram. Propositadamente ou acidentalmente não sabemos, o certo é que assim, o combinado ficou sem efeito e o Blogue Irmandade da Adaga Negra Portugal, não se vê no direito de manter o acordado, visto a quebra do mesmo da outra parte.


Assim sendo foram removidos dos afiliados os seguintes Blogues:

Leitura Não Ocupa Espaço;
Voz de Caldwell - Consta que foi removido.
Casa da Noite
Carpe Noctem
Black Dagger Lovers


Se o nome do teu blogue se encontra aqui, e se achas que existe algum mal entendido, peço que entres em contacto a fim de esclarecermos a situação.


Mantemos então apenas e unicamente como afiliados os seguintes Blogues:

Livros Nas Estrelas [O Nosso Mundo Sobrenatural]

La Hermandad de la Daga Negra

Os Imortais Portugal

 

Até à próxima...

*Nasan

IMMORTAL: Gostinho 32

Saudações Amantes da Irmandade!

Para variar estou hiper mega atrasada com esta publicação. Mas é tanta coisa que acabo por me esquecer, desculpem!

Mas vamos lá, aqui está mais um docinho enviado pela nossa querida
Nightshade.



Anjos Caídos #6

Immortal

Capítulo 32

Devina andava de um lado para o outro no corredor da sua cave, os saltos-altos a soarem e a ecoarem.
Os seus escravos haviam limpo a maioria da confusão - havia apenas alguns ajustes a serem feitos com a posição da sua colecção, mas a maior parte estava onde devia de estar.
Ela precisava das coisas organizadas mais do que nunca.
Como é que a Sissy sabia?, pensou. Que porra é que tinha chamado a atenção da rapariga?
Maldito inferno, não era como se Devina estivesse a fazer uma imitação de Jim como se ela fosse uma artista de Las Vegas, a um passo de se apresentar num palco. Quando ela assumia a identidade de alguém, ela não era parte Jack Nicholson, parte Al Pacino, nem três quartos de George W. Bush ou Elvis.
Graças ao emblema do Mercedes, ela tinha o ADN de Jim para brincar, e ela literalmente o reproduziu, molécula a molécula.
E no entanto, aquela virgem idiota tinha, de alguma forma, descoberto.
Ou melhor, só idiota, visto que a parte de ser virgem ter sido resolvida, muito obrigada Jim Heron, podes ir para o caralho.
Oh meu, ela só conseguia imaginar Nigel e os seus três frutinhas lá em cima no Céu, todos aliviados por terem outra bandeira.
Como diabo é que ela perdeu esta batalha?
Ela nunca deveria ter feito aquele acordo com Jim. Se ela não tivesse libertado Sissy da sua Parede das Almas? Então, uma das alternativas teria sido o sucesso e passar-lhes a perna, em vez de ter falhado com aquela rapariga.
Colocando as suas mãos nas ancas, ela girou num pequeno círculo e olhou para a cama dela. Ainda tinha fantasias de Jim com ela. Mas, pelo amor de Deus, era fodido. E a pior parte? A única pessoa com que queria partilhar os seus medos e dúvidas era Jim.
Mas ele não estava só com aquela pequena idiota… ele provavelmente usaria as informações contra ela.
- É tão solitário estar no topo. - Murmurou ela para, naturalmente, ninguém.
O Mal não é suposto estar sozinho, pensou ela. O Mal era suposto ser o caos e a destruição, passando por momentos incríveis a foder toda a merda. Mas em vez disso, ali estava ela, sozinha e em luto por um qualquer homem imortal.
- O amor é uma merda - murmurou. - É sim.
Claro, ela poderia convocar alguns escravos e ter uma orgia, mas tal como um brinquedo de Natal, até os melhores se tornavam aborrecidos se se brincasse demasiado com eles. Ou talvez ela saísse, ir até alguns clubes e foder alguns humanos aleatoriamente… talvez pô-los a fazer algumas coisas corruptas só para diversão e risos.
Meu Deus, isso parecia dar muito trabalho.
E, enquanto isso, ela não tinha amigas para chamar, nenhumas raparigas para convidar e comparar «Meu namorado e as Suas Grandes Histórias de Merda».
Jim era o parceiro dela. Ele devia de estar com ela.
Caminhando até à área do quarto dela, ela procura na sua mala o telemóvel. Teclando a sua password, ela obtém o número dele nas chamadas rápidas e… colocou o polegar sobre a linha de números pretos.
Ela só queria ouvir a sua voz. Como, ele poderia atender e dizer olá e depois ela…
O quê? O que ela diria? Algo como: Fodeste com a Sissy quando chegaste a casa? Como se ela quisesse ouvir a resposta a isso.
Foda-se!
Porra, porque é que ele não podia ser o homem que tinha na sua cabeça? Aquele em que era insensatamente obcecado por ela quando estava com ela? Aquele que estava preparado para mergulhar em lutas de dimensões bíblicas seguido de sexo épico? Aquele em que a amava só a ela? E que nunca, nunca estaria com outra.
A não ser, claro, se eles convidassem outra mulher para se juntar a eles. E depois, unidos, a matavam no fim de tudo.
Com isso em mente, a Hallmark falhava por completo na marca dos seus cartões. Pessoas que estavam em relações não convencionais, como as que envolvem um demónio, foram totalmente enganadas. Cabrões.
- Que se foda. - Disse ela, atirando o telemóvel para a colcha.
O seu instinto imediato foi para o agarrar, verificar novamente se ele tinha chamado e ela tivesse perdido… Num nanossegundo, o telemóvel estava no ar.
Fechando os olhos, ela tentou pensar na última edição da revista Comospolitan. Eles tinham dicas para merdas como aquela: «Quando o Teu Homem te Desilude». O que diziam?
Oh, certo.
Com um pestanejar, ela baniu a camisa de seda e a saia de couro que vestiu depois de ter chegado ali até aos seus cabides. Depois, pestanejou mais uma vez e ela vestia um conjunto de pijama de flanela rosa com carneiros a saltarem à volta das pernas dela e um Top onde se podia ler: «Sinto-me sonolenta». De seguida, inclinou-se para a mesa-de-cabeceira, ligou a TV e foi ao menu. Indo até ao Netflix, ela encontrou a parte marcada com «Séries de Televisão», e decidiu….
Não, Frasier não. Ela estava com disposição para outra coisa. O Sexo e a Cidade.
Sim, afinal ela tinha amigas. Carrie, Samantha, Charlotte e Miranda. Todas elas tinham passado por esta merda… e elas tinham um bom vestuário também, mesmo com a série a ter já… quantos anos?
Do ar, ela conjura uma garrafa de Chardonnay, algumas trufas de chocolate Lindt - nergro, claro - e um balde de gelado de baunilha com uma colher de prata Sterling.
Amanhã seria outro dia. E ela levantar-se-ia para lutar novamente.
Ela teria que o fazer. Graças à vitória dele desta noite?
Jim era a última alma a bordo.


Delicioso, não é?

Feliz dia Internacional da Mulher.