Sobre nós

Seja bem-vindo! Conheça um pouco sobre o blogue.

Legado da Adaga Negra

Leia tudo sobre o novo livro da nova saga da IAN: "Beijo de sangue"

The Fallen Angels

Conheça a série Anjos Caídos.

terça-feira, 14 de maio de 2019

The Caldwell Courier Journal de Maio, parte 4

Olá pessoal!!

Desculpem a demora, mas por mais que eu adore o Rhage esta é sempre a pior parte para traduzir... Principalmente para alguém que nunca viu o filme...

Mais a meio vamos ter a presença do Butch e do V, por isso é que adicionei os nomes deles às etiquetas do post.

Quero agradecer à nossa Nighty por me ter ajudado a confirmar algumas coisas que não tinha a certeza, foste uma salvadora, podes competir agora com o Murhder. :P

Vamos àquilo que vocês estavam à espera, está bem?

The Caldwell Courier Journal

Volume 1, Fascículo 3                                                                                                           Maio 2019

A Revisão das Pipocas do Rhage

Uma vez que o 4 de Maio já passou por nós, eu pensei em filmes com datas neles, e claro, decidi que tinha que ir com o derradeiro clássico, o grande pai dos esfaqueadores, o MDTOT* folclore da velha escola, da Sexta Feira 13! (E mais, olá, há um ângulo do Dia da Mãe neste filme, não há lol, e para além disso, com a saída do filme original do dia 09/05/80, este filme vai fazer trinta e nove anos daqui a dois dias*). Eu esqueci-me o quanto gosto deste filme, apesar de só ter 63% no Rotten Tomatoes, Pontuação do Tomatometer e do Público de 60% naquele site? WTF. O Kevin Bacon leva na garganta e isso é o melhor que as pessoas podem fazer? Acho que elas estão gastos.


De qualquer modo, se tens vivido de baixo de uma pedra, Sexta Feira 13 é sobre sete concelheiros de acampamento que se reúnem no Camp Crystal Lake. As instalações vão ser reabertas para o verão apesar do facto de terem havido uma série de assassinatos no local, seguido do assassinado de um campista chamado Jason Voorhees algum tempo antes. Sem querer fazer spoiler, mas os corpos empilham-se depressa, e a reviravolta surpreendente no final, bem, isso só aquece o coração, não é.


Este filme começou uma franquia de outros doze filmes, tal como um spinoff na televisão, livros, banda desenhada e jogos de consola. O Jason, tal como o Freedy Krueger e o Michael Myers, é um sinónimo de Halloween, filmes de terror, e coisas que vão aparecer de noite. Apesar de não vermos o icon neste filme, vou incluir uma imagem dele aqui, só porque ele é espectacular.

Adoro tanto este filme. Ele recebe dos caninos para cima e uma adaga por respeito!




  
Vejam comigo

00:28 Os grilos e os mergulhões*, certo? E depois as canções à volta da fogueira. CLÁSSICO

01:11 Câmara assassina e o chchchch-ahahahah. Estou estupidamente entusiasmado neste momento, btw.

02:20 Desocupados jovens humanos a cantar com uma inclinação da cabeça… mas ESPEREM a fornicação está a caminho.

04:29 Serei o único que ri sobre os dois pares de meias super brancas? Alguém anda a tratar bem da roupa neste acampamento.

04:50 Um morto, e outro para ir eeeeeeeee temos SLOMO*, pessoal.

05:17 Adoro o logo a correr e a partir o vidro.

06:37 Uma aldeia bucólica e pequena, embalando-nos para uma falsa sensação de segurança.

07:07 CÃO!

08:11 Sinto falta de lojas de aldeias pequenas como esta, com livros de bolso nas prateleiras, e com danishes*, e uma caixa registadora das antigas. Fogo, estou com fome.

09:24 Será que aquela carrinha é mesmo uma OMG 5000? MELHOR MARCA DE SEMPRE (ok, aquilo diz GMC, mas mesmo assim)

12:50 – Só pensas em sexo? – O miúdo tem 18 e é verão #DUH

13:05 ALERTA KEVIN BACON. Seis graus começam aqui.

13:40 Ok, então o director do acampamento com aquele cabelo de esfregona e os óculos sem aro parece que pertence aos filmes do Jurassic Park como “jovem cientista nº1”.

14:23 A Alice tem completamente o corte de cabelo à tigela da Dorothy Hamill. Lembram-se deles?


15:55 – És muito talentosa. – É tipo, - Vens comigo para o meu quarto?

16:25 ALICE NÃO LHE DES OUTRA OPORTUNIDADE. ELE É UM PALERMA. VAI PARA CALI*.

17:21 Suspensórios. Tronco nu. Estou a rezar para que o Lassiter nunca veja este filme.

19:19 OK, agora estou a ficar tenso. Não quero que o cozinheiro entre no Jeep verde.

20:25 Uh-oh. (P.S., o tema das sombras de Jaws* com dum-dumm)

21:40 A actriz vai precisar de um cheque chorudo depois desta cena. É tudo o que vou dizer.

22:10 M*rda. E qual é o motivo deste clarão na cena
?
22:48 Espero que o Kevin tenha sido pago um bocado mais por ter que usar aquele ridículo fato de banho apertadíssimo tipo branco.

23:04 Esperem. Eu agora quero gelado. Totalmente esfomeado.

*coloca o filme em pausa*

*vai buscar uma caixa de gelado de chocolate chip mint*

*tira o filme da pausa*

25:18 Câmara assassina. Ou pode ser a Velha Câmara Embaciada, não temos bem a certeza.

25:48 Adoro como os cineastas estão a fazer os objectos secundários para assustar: o “afogamento” e agora a cobra. A preparar-nos para o grande evento.

26:36 Ok, estou a ser um bocadinho crítico agora mesmo com os humanos a unir-se a gritar enquanto se debatem com a cobra. Mas para ser justo, eu provavelmente faria o mesmo. O Indiana Jones e eu temos essa fobia.

28:05 Wow. Grupo de rua com o vernáculo da erva, Sr. Polícia. Acalma-te, rabo escaldado.

30:21 Aquele velhote é um bocado estranho, mas ele está certo. Eles estão completamente f*didos se ficarem. E sobre ele sair da festa, tenho que me questionar se ele saiu de uma daquelas latas nas prateleiras: Velhote, o melhor geriátrico enlatado no mercado. Fortificado com extra naftalina e Tena*.


32:16 Bestial. Agora quero um hambúrguer.

35:11 Uh-oh. Sonho presciente sobre chuva a tornar-se em sangue. Estou a ficar assustado.

36:12 OMG tempestade no filme! Lembram-se da A Morte Fica-vos Tão Bem (Death Becomes Her)? Adoro tempestades nos filmes.

37:17 Estou a corar aqui.

*O Butch e o V entram*

38:56 Ohhh, strip Monopólio, eles são tão durões.


39:29 Acho que ambos lavaram através do torso? Ou estou a lembrar-me mal?

40:04 ALERTA PARA TIPO MORTO.

40:24 Garrafas de vidro de Budweiser* velhas com aquela forma esquisita e a tampa de atarraxar.

40:56 – Mijar é uma boa ideia. Limpa o sistema urinário depois do sexo e reduz as chances de ITU* - V. (Ok, obrigado Dr. Oz. O irmão tem que partilhar curiosidades médicas inúteis.)

42:06FYI* há muitas camisas axadrezadas no filme. – Butch

42:44 Ok, estava enganado sobre a facada dupla através no torso. Podia ter jurado que vi isso, mas claramente no filme errado.

44:22 C*bra, não é o Jack!!! Salva-te!!!!! (- Pior morte de sempre se és esfaqueado enquanto estás na retrete. - V)

46:31 Sombras de machados! F*da-se!!! (- Mesmo na boca. – V)

47:38 – Aquele impermeável é da cor de uma alface romana - Butch

48:14 Bestial. Agora quero um danish.

48:38 (- A empregada de mesa parece-se com o Tootsie*. – V) (- Não, Sra. Doubfire. – Butch)

50:57 Por algum motivo, estou obcecado por saber que tipo de pasta de dentes ela está a usar. Será Pepsodente?

52:34 Juro que me estou a lembrar do Jurassic com aquele impermeável  amarelo, a chuva e o Jeep.

55:22 – Olá! Olá! – Não, não deem ouvidos a essa voz de criança!

56:16 Adoro lanternas na noite.

56:38 O V e o Butch estão os dois a gritar: - Fenway*! – agora mesmo. Acho que é por causa das luzes que se estão a acender no campo de tiro ao arco.

57:10 Oh, sabem, vou apenas sentar-me aqui e dedilhar uma pequena melodia. (- Nas minhas t-shirts da Pequena Pradaria da Laura Ingalls Wilder dos finais da era dos setenta. – Butch)

58:57 Nesta altura, sinto como se toda a gente neste filme ou está morto ou a usar um impermeável. (- Awww, vejam. O assassino recolheu o machado para a noitinha. – V)

1:01:10 Claro que o raio do veículo não funciona… e oh, é melhor adicionar algum diálogo sobre o quão distante o acampamento é em relação a tudo. 16 quilómetros! Os humanos estão tão lixados com os modos de viajar.

1:03:51 Quem é aquele? Bem, no teu caso, é a Morte, filho.

1:08:10 Adoro as velhas latas de café. Estou a tentar ler os rótulos.

1:09:14 *A Alice abre a porta da despensa* - Hmm, acho que já não temos latas de Velhote? Melhor adicionar à lista de compras.

1:10:28 Estou bastante confiante de que nos aproximamos do modo Encontrar o Corpo Morto… yup. Avisei. Num filme de terror como este, a Fase II é sempre quando o Último Sobrevivente encontra todas as pessoas que têm buracos nelas.

1:14:20 – Será que eles combinaram o impermeável dela com as cortinas de propósito aqui? - Butch


1:15:09 Alerta de Jeep verde! (- Desculpem, mas aquela camisola que a Sra. Voorhees está a usar parece comichosa. – Bucth)

1:16:07 Sim, sem m*rdas que não estás assustada Sra. Voorhees.

1:16:35 OS CONCELHEIROS NÃO ESTAVAM A PRESTAR ATENÇÃO NENHUMA. ELES ESTAVAM A FAZER AMOR ENQUANTO ELE SE AFOGAVA! É impressão minha ou isto é uma fala clássica no nível de, SEM MAIS FIOS SOLTOS!!!

1:17:24 Ok, quando é que começas a pensar, se fosses a Alice, que esta c*bra é doida.

1:18:22 A Sra. V acabou de entrar no comboio dos loucos. O interruptor foi ligado.

1:19:37 – Mata-a mamã, mata-a… não a deixes fugir, não a deixes viver. – WOW, muitas coisas a acontecer com a Sra. V agora mesmo. Questiono-me se aquela voz diz a coisa errada se ela a tentar acalmar? Como iria isso funcionar?

1:21:50 Alice vais ter que atirar alguma coisa mais substancial à Sra. V. Só a dizer.

1:22:09 É difícil de manter um bom assassino no não, não é?

1:22:55 Lua cheia com nuvens assustadoras. Adoro!

1:25:31 – Poxa, gostava que houvesse uma lata de Tareia Enorme nesta dispensa. Melhor adicionar também à lista das compras. - Alice

1:26:04 Odeio quando nos filmes de terror o sobrevivente tem passar à volta do corpo do assassino. Assusta-me todas as vezes.

1:27:03 A Sra. V está de voooooolta.


1:27:33 – Todas as lutas tornam-se num jogo no chão. – V.

1:28:01 Nós estamos a celebrar nesta altura lolololol continuem! Ou, com um aceno ao Sr. Night Shyamalan: Afastem-se, afastem-se!

1:28:33 NÃO acreditem na música doce aqui. Nup. Clássica jogada de novato para acreditar no “tudo está bem”.

1:29:15 Odeio a merda das pontas dos dedos na água. Deus, ela estava a pedi-las… Tenho que comer alguma coisa por causa do stress.


1:30:23 O melhor final de SEMPRE.

Até o próximo mês, assistam bem meu pessoal! Assistam bem!

*MDTOT – vem de GOAT, que significa Greatest of All Times, pelo que traduzi para Melhor De Todos Os Tempos
“este filme vai fazer trinta e nove anos daqui a dois dias” – na altura de publicação o filme já tem 39 anos e cinco dias!

Mergulhões – ave aquática

SLOMO – câmara lenta

Danishes – uma qualidade de bolo de pastelaria

Cali – diminutivo para Califórnia

Jaws – filme com tubarões

Tena – marca usada em Portugal para produtos para a incontinência (no original estava outra marca)

Budweiser – marca de cerveja

ITU – infeções no trato urinário

FYI – for your information que significa algo como para que saibam

Tootsie – filme de 1982

Sra. Doubfire – filme de 1993 com nome em Portugal de Papá para Sempre com o Robin Williams

Fenway – creio que seja o estádio dos Red Sox, mas não tenho a certeza… :/


 Artigos anteriores:

E aqui está a Versão Original!

E por este mês é tudo, mais uma vez desculpem a demora!

Espero que tenham gostado e que fiquem bem e até à próxima publicação!
Sunshine ;)

sexta-feira, 10 de maio de 2019

The Caldwell Courier Journal de Maio, parte 3

Olá pessoal!

Como estão hoje?

Isto este mês está a correr bem até agora... a ver se não estrago, já que só falta uma parte (que vai dar trabalho :/ será que o Rhage vai ser o filme deste mês com alguém ou sozinho?)

Mas falemos do que temos hoje em mão, pode ser?

Hoje temos mais conselhos do V. Eu acho que ele se tem portado relativamente bem até agora e vocês? Vamos ver o que acham deste! ;)

The Caldwell Courier Journal

Volume 1, Fascículo 3                                                                                                            Maio 2019

"Tia da Agonia" - Coluna de Conselhos

Pelo Vishous (com ajuda da Mary)

Caro Vishous,

Tenho vinte e sete anos e estão prestes a casar com o meu melhor amigo em Junho. O Boby (chamemos-lo assim) e eu estamos juntos desde a universidade (cerca de dois anos), e damos-nos muito bem. Juntamos-nos ano passado, e depois de algumas dores de crescimento iniciais, transitamos com sucesso para uma família de duas pessoas. O Bobby pediu-me em casamento nas férias de Natal, e claro, disse que sim. Não tenho dúvidas que ele seja a pessoa para mim e estou extasiada para o chamar de meu marido e começar uma família com ele.

O problema é a mãe dele. Ela é absolutamente impossível. Eu suspeitava disso antes, mas as preparações do casamento fecharam o pesadelo da mulher. O que se passa é, só tivemos seis meses para planear o casamento porque o Bobby e eu não quisemos esperar, e Junho é o melhor mês, relativamente ao tempo, no sítio onde vivemos. E a menos que que trata-se-mos das coisas rápido, teríamos que ficar noivos durante um ano e meio, e isso parecia demasiado longo.


Passando à frente, a mãe do Bobby questiona-me em tudo: a banda, o bolo, o jantar, o horário, a hora em que começa, os vestidos das damas de honra, as roupas dos homens de honra, a escolha musical para o serviço, as flores. É como se ela não aprovasse tudo o que estou a fazer de propósito, e estou farta disso. O Bobby deixou-me planear tudo, em parte porque ele trabalha mais horas que eu, mas também porque eu tenho uma opinião em como eu quero que as coisas sejam e ele é mais relaxado. Mas como resultado ele não se envolve o suficiente quando a mãe dele me chateia.

Tens algum conselho em como eu deve lidar com esta mulher? Nesta altura, estou tão pronta para gritar com ela, está a ensombrar todo o dia.

Farta

*************

Vishous: Farta, tenho duas coisas para te dizer: 1) Sabias que a fita adesiva funciona bem em bocas? E é barata, também; e 2) tanto tu como essa tua sogra precisam de colar um pedaço neste c*ralho de momento…

Mary: *abana a cabeça* Oh, querido Deus.

Vishous: O quê? Estou a falar a sério. Se a Farta sabe como quer que o casamento dela seja, porque é que ela está a falar com a mãe do Bobby sobre qualquer uma das partes dele? Ela deveria parar com a conversa fiada e não dar à outra mulher a oportunidade para dizer alguma coisa sobre o evento.

Mary: *pestaneja* Bem, Farta, o V tem realmente tem razão. Soa como se estivesses a confirmar tudo com a tua futura sogra, de outro modo como é que ela poderia expressar a opinião dela em qualquer dos aspectos do casamento? Gostaria que tivéssemos um bocado mais de detalhes para continuar. Estás a incluí-la a esse nível porque queres que ela se sinta envolvida? Ou é por causa de alguma expectativa da parte do Bobby?

V: Ou é por causa de dinheiro? Quem é que vai pagar por isso, já agora? Quero dizer, se tu e o Bobby vão passar os cheques e o cartão, há ainda menos razões para tu solicitares qualquer outras opiniões. A não ser que a sogra esteja a ceder o dinheiro, não há nenhuma razão para falar com ela.

Mary: Tenho que concordar. Por vezes, no esforço de construir pontes, nós esquecemos-nos dos nossos próprios limites. Faz completo sentido que te queiras integrar com as tuas novas relações, especialmente se ela pode ser difícil. Mas talvez o que viste como uma maneira de desenvolver a relação foi para ela uma oportunidade, ou mesmo um imperativo, para comentar.

V: A outra coisa é, se queres uma aprovação a carimbo de plástico, senta-te na frente do espelho e diz a ti própria o quão espectaculares as tuas escolhas são. De outra maneira, cala-te, faz as tuas coisas, e sê educada com a mulher no evento. E se sabias que ela era complicada de lidar antes? Nunca deverias ter seguido por este caminho desde início.

Mary: Um, sim. E eu acrescentaria que há muitos outros níveis no qual envolver a mãe do Bobby. Depois do casamento e da lua de mel, talvez tenta recomeçar a relação convidando-a para jantar. Talvez ficasses menos stressada e ela também. Disseste que só tiveste seis meses para planear o casamento por isso imagino que estejas a sentir muito mais pressão que as outras noivas. Por favor deixas-nos saber como é que corre? Desejamos-te tudo de melhor!

V: E quando em dúvida, o MaxMat* tem fita adesiva. Até depois.

-----


*MaxMat – usaram outro nome, mas adaptei a uma das nossas lojas

Artigos anteriores:

E aqui está a Versão Original!



E isto é tudo por hoje!



V esteve muito bem, tem andado a deixar a Mary muito espantada com ele, não acham?

Espero que tenham gostado e que fiquem bem e até à próxima!
Sunshine ;)

quinta-feira, 9 de maio de 2019

The Caldwell Courier Journal de Maio, parte 2

Olá pessoal!!!

Aqui vai a segunda parte! Alguém quer saber os signos para este mês?

O que será que a Madame Lassiter preparou para nós desta vez?

Curiosos?

The Caldwell Courier Journal

Volume 1, Fascículo 3                                                                                                            Maio 2019

Horóscopo Mensal

Pelo Lassiter
Anjo Caído para as Estrelas



OMG Feliz Dia da Mãe para todas as mães por aí! Este tipo de ocasião é digna de celebração, e isso fez-me pensar da maneira como os humanos marcam este dia especial. Claro está, Pandora (https://www.pandora.net/pt-pt)! Como é que souberam que ia por aí? Sim, é hora da pulseira, pessoal… vejam em baixo a conta que reflecte o alinhamento das vossas estrelas este mês!

Amo-vos! XXX O vosso anjo caído favorito**

Carneiro (21 Março – 19 Abril)
Se há algum signo que percebe a importância de dançar como se mais ninguém vos pudesse ver, é um Carneiro! A vossa conta é a conta pendente Headphones Cor-de-Rosa. Este mês, libertem-se, baixem-se, e abanem o que a vossa mãe vos deu… e não apenas na pista de dança. Vocês são mesmo bons a apreciar a vida e vocês precisam de libertar a energia para o mundo, liderando por exemplo como geralmente fazem!


Touro (20 Abril – 20 Maio)
Touros, alguém nas vossas vidas precisa da vossa paciência característica este mês. As pessoas que nasceram no vosso signo são muito leais, e alguém perto de vocês está a debater-se… e isso está a começar a enervar-vos. A vossa conta é a conta pendente Cachorrinho Labrador! É uma lembrança que isto é só uma fazer para eles. Quer eles precisem da vossa orientação gentil, ou de um jornal enrolado no traseiro, o vosso auxílio vai retornar para vocês dez vezes maior quando realmente precisarem de algo semelhante para vocês.


Gémeos (21 Maio – 20 Junho)
Este é um mês sortudo para vocês, Gémeos! Preparem-se para as coisas se começarem a encaixar. A vossa conta é a conta pendente Ferradura, Trevo e Joaninha. Têm andado a debater-se com algumas partes das vossas vidas desde o início do ano, por isso já não era sem tempo. Apreciem que Sra Sorte está do vosso lado e colham os benefícios que merecem!


Caranguejo (21 Junho – 22 Julho)
Saiam para o mundo, Caranguejos! Eu sei, eu meio que disse isto o mês passado, mas o vosso horóscopo diz que ainda preferem a vossa zona de conforto este Maio. A vossa conta é a conta pendente Bicicleta Brilhante. Precisão de sair de se alongarem. Apreciem este tempo melhor e procurem os raios de sol. No próximo mês, vão descobrir que faz uma diferença de uma maneira inesperada.


Leão (23 Julho – 22 Agosto)
O amor está no ar para vocês, Leões! Este mês é todo à cerca do vosso coração. Quer estejam numa relação estável, ou à procura duma, o foco é no romance. A vossa conta é a Conta Pendente Disney Minnie & Mickey With Love. Encontrem esse FpS* ou façam aqueles que têm ainda mais forte!


Virgem (23 Agosto – 22 Setembro)
Mesmo que sejam normalmente comprometidos com o vosso trabalho, Virgens, e dificilmente o tipo de se sentarem refastelados e relaxar, eu vejo umas férias a aproximarem-se do vosso futuro.  A vossa conta é a conta pendente Torre Eiffel, e eu incito-vos a aproveitarem a pausa que está no vosso horizonte. Quer seja uma viagem que sejam convidados a ir, ou um par de dias que tenhas de folga, saiam da vossa rotina e permitam-se respirar, respirar, respirar!


Balança (23 Setembro – 22 Outubro)
As Balanças gostam de ter harmonia nas suas relações, e este mês, a vossa família é mais importante que nunca à vossa frente. Quer seja um desafio com o qual se estão a debater, ou uma questão à qual estão à procura de resposta, a vossa família, tanto aquela que escolheram como aquela cuja a qual têm laços de sangue, vai estar lá para vocês. A vossa conta é a conta pendente Herança de Família!


Escorpião (23 Outubro – 21 Novembro)
Um signo feroz e determinado, Escorpiões, vocês sempre sabem onde estão. A vossa conta é a conta pendente Rosa dos Ventos. Usando o vosso discernimento aguçado e os vossos instintos de auto preservação, estão à beira de saírem sozinhos de uma situação difícil. Vocês vão triunfar no fim desde que acreditem no vosso senso de direcção e justiça!


Sagitário (22 Novembro – 21 Dezembro)
Viajar está nas vossas estrelas este mês, Sagitários! A vossa conta é a conta pendente Mala. Vejo uma viagem no vosso futuro, se não em Maio, então no verão. Vocês adoram explorar por isso esta é a vossa oportunidade de ver algumas coisas novas e aprenderem mais sobre vocês próprios. Aventura faz bem a uma alma!



Capricórnio (22 Dezembro – 19 Janeiro)
O que amo em vocês, Capricórnios, é que vocês estão sempre a estabelecer e a cumprir objectivos. A vossa conta é a conta pendente Sementes do Futuro. Este mês, mais do que normal, vocês estão a olhar para o futuro e a avaliar onde querem estar e como é que vão chegar lá. Comecem por colocar as fundações para o vosso futuro sucesso, quer seja no vosso campo escolhido, ou noutro!

Aquário (20 Janeiro – 18 Fevereiro)
Aquários, vocês são não convencionais e criativos, e isso leva para que encontrem todo o tipo de novas e entusiasmante oportunidades para crescimento interpessoal e conexões! A vossa conta é a conta Disney Magic Carpet Ride. Sigam os vossos caprichos este mês para horizontes que nunca tinhas sonhado visitar e aprender! Agora é a vossa altura de voar!


Peixes (19 Fevereiro – 20 Março)
A vossa conta este mês é a conta avô! A vossa intuição nunca vos falha, e vocês precisam de partilhar esta riqueza com alguém perto de vocês. Subam para o palco, e ajudem guiar uma pessoa que está perdida na vida dela com a vossa habilidade incrível para avaliar por instinto as situações. Em retorno, irão receber a satisfação que vem com ajudas aqueles que amamos através de tempos difíceis!


**Embora, realmente, quantos de nós é que conheces? E P.S., isto é só para brincadeira, risadas e entreternimento, blah, blah, blah.
-----


*FpS – Feliz para Sempre


Artigos anteriores:

E aqui está a Versão Original!

E então o que é que acharam da ideia deste mês? Eu fiquei com vontade de comprar a conta de Gémeos, mas parece que ela não existe em Portugal (para além de que eu nem se quer tenho nenhuma pulseira da pandora nem nada do género... xD)

Por hoje é tudo!

Espero que tenham gostado e que fiquem bem!
Sunshine ;)

quarta-feira, 8 de maio de 2019

The Caldwell Courier Journal de Maio, parte 1

Olá pessoal!!!

Como têm passado! Já viram que o V atrasou a edição deste mês... não se faz!!!

Sónia Lage muito obrigada pelos comentários, têm sido uma grande alegria para mim. :)

Este mês o Pergunte a um Irmão vai estar aqui incorporado, o que significa que este mês só vamos ter 4 partes. Se tiverem sorte nos próximos 3 dias tenho tudo aqui no blog, se não tiverem sorte vou demorar mais.

Vamos lá ao que vos interessa, está bem? ;)

The Caldwell Courier Journal

Volume 1, Fascículo 3                                                                                                            Maio 2019

Missiva da Mansão

por Beth Randall 

Feliz Maio, pessoal!  E Feliz (quase)* Dia da Mãe! O próximo domingo é suposto ser reservado para mostrar às mães o quanto elas são amadas… e, se somos mães, receber uma injecção extra de amor dos nossos filhos. É uma grande ideia de parar e apreciar aqueles que significam muito para nós, apesar de também, ou talvez especialmente, se não houver uma grande etiqueta na relação: Mãe, Pai, Avô(ó), Tia, etc. Os amigos também contam, por exemplo. Animais. Carros (se fores o Rhage).



Como alguém que agora realmente tem uma pequena, forma de vida baseada em carbono que depende de mim e do pai dele para sustento e protecção, encontro-me a pensar no Dia da Mãe numa nova luz. Por outro lado, eu realmente não pensava de todo sobre o feriado… ou talvez fosse mais no caso de eu tentar não pensar sobre isso. A minha mãe morreu ao dar-me à luz, e tendo em conta que eu cresci no sistema de assistência social, e depois num orfanato, não havia nenhuma figura maternal para mim. E assim sendo, não havia Dia da Mãe para mim.

Quando estava no secundário, podia lembrar-me dos meus amigos a serem arrastados para brunches* neste domingo todos os anos. Para a maior parte deles, era uma obrigação, exactamente o tipo de coisa que os adolescentes odeiam: família por todo o lado, uma tia solteirona atirada na mistura, arranjos de flores, cartões lamechas e ter que acordar antes do meio dia. No orfanato, nós não celebrávamos a ocasião de todo, contudo não tenho a certeza se era porque os administradores estavam a tentar ser sensíveis, ou porque os fundos estavam sempre apertados por isso qualquer desculpa para não fazer nada mais caro que três refeições por dia e um lanche era preferível (tendo em conta essa teoria, com o brunch a ser tanto pequeno almoço e almoço, pensarias que eles se colocariam nesse comboio e mais alguns).

Mas sim, eu lembro-me de querer chutar os traseiros dos meus amigos pelas suas faltas de atitude em relação ao Dia da Mãe. Eu teria adorado ter uma mãe que me esperasse em casa. Para estar à minha beira a fazer os trabalhos de casa. Para falar sobre o meu dia. Eu gostaria de ter participado no feriado como uma da grande massa de pessoas que eram consideradas “normais”. Essa é a coisa sobre crescer da maneira que cresci: eu tinha um sentido bastante claro de que havia uma grande quantidade de vidas paralelas à minha. Eu via-as retratadas em comédias e livros e filmes, e na vida dos meus amigos. Mas era como se eu estive num lado dos carris e eles estivessem no outro, e não havia nenhuma capacidade de cruzamento entre as duas.

Na altura em que atravessei a universidade e para o outro lado para a vida “adulta”, eu tinha colocado o Dia da Mãe firmemente fora da minha mente. Apenas me recusava de pensar nisso. Após todos aqueles anos a desejar que eu pudesse estar do outro lado da linha, cheguei ao ponto de aceitar onde estava e quem era. O que é um sinal de maturidade, suponho eu. Mas sim, depois da universidade, eu continuei com o que estava a fazer nos outros domingos, sem dúvida numa maneira de isolar-me de uma tristeza sobre a qual não podia fazer nada.

E depois conheci o Wrath. E aprendi o que realmente era.

Querem falar sobre linhas diferentes? Santa porcaria. Descobrir que era vampira colocou todas as outras guerras de identidade numa sombra. E é esquisito enquanto penso sobre isso agora. Foi apenas através do meu acasalamento com um vampiro, e dar à luz um, que encontrei o que faltava na minha vida humana de muitas maneiras. Continuo sem ter uma mãe, é verdade. Mas agora tenho uma família inteira, e não apenas no sentido nuclear. Todos os Irmãos do Wrath são como se fossem meus. E as suas shellan são as minhas irmãs. E esta casa é uma comunidade.

E com o L.W., sou uma mãe.

Não vou mentir. Às vezes ainda fico triste quando penso que nem o meu progenitor, o Darius, nem a minha mãe, conseguiram ver o neto deles. E eu desejava ter a minha mãe a quem pedir conselhos sobre quando o L.W. fica agitado (ou come algo que não lhe cai bem no estômago, olá…, quantidade enorme de mirtilos). Mas a minha vida é tão cheia e tão maravilhosa que os ecos da dor são maioritariamente eclipsados por todo o amor.

O que me trás ao meu ponto.

Como alguém que não tem uma mãe, e que não pode ter mais crianças, eu encontro-me extras sensível a outras pessoas que possam não ter experimentado o Dia da Mãe no seu sentido tradicional. Tento lembrar-me que nem toda a gente tem a coisa do brunch-com-flores-e-cartões a acontecer, e que há muitas razões diferentes para isso acontecer. Talvez, como eu, perderam a mãe quando nasceram. Ou talvez tenham sido dados para adopção. Ou talvez sejam afastados das mães deles. Ou talvez não possam ter filhos. Ou não queiram ter filhos. Ou talvez sejam mãe de crianças que têm patas, cascos ou asas. Acho que fazer um esforço para encontrar o pessoal no ponto em que estão significa muito… e não retira da minha alegria de ter o meu filho ou de ser mãe num dia especial para as mães. Apenas significa que me preocupo o suficiente para ter em conta que “muitos” não significa “todos”, e que “normal” é mais um campo estreito do que às vezes pensamos.

E é nesta linha de pensamento que vou preencher o campo de Pergunta a um Irmão deste mês… em nome dos outros casais desta casa. Muitas pessoas querem saber se (quando) o Vishous e a Jane vão ter um filho. Ou o Phury e a Cormia. Ou o Butch e a Marissa. Ou a Xhex e o John. Ou qualquer outra pessoa de baixo deste telhado. É uma questão completamente justa de muitas maneiras. A maior parte dos casais pelo menos tentam ter filhos. Vários casais ficam extasiados com a perspectiva disso. Muitos casais mal podem esperar para trazer uma nova vida ao mundo. Por isso é uma coisa natural para duas pessoas fazerem juntas. E a outra coisa é, é bastante óbvio que a questão veio dum local de amor e melhores desejos. Em perguntar tal coisa, é claro que a pessoa que coloca o ponto de interrogação no final dessas palavras só quer que ambas as pessoas tenham a experiência completa de marido e mulher, ou de namorado e namorada, ou marido e marido, e isso é uma coisa maravilhosa. Por isso não há razão nenhuma para se sentirem mal, de todo, por se questionarem quando (se) vai acontecer.

Mas acho que pode ser difícil para um casal. Eu percebo que o V e a Jane não queiram ter crianças, e eu suporto a decisão deles completamente (mesmo que ela não consiga engravidar, eles poderiam sempre adoptar). De qualquer maneira, só porque não tens um filho, não quer dizer que não tenhas uma família. Duas pessoas podem viver um completo romance verdadeiro e nunca se reproduzirem porque as crianças não equivalem a validade e profundidade de uma relação. Em relação às outras da casa? Creio que o Butch e a Marissa estejam a pensar nisso, mas ainda não se decidiram. E a Cormia tornou muito claro que quer um bebé. Não falei com a Xhex do tópico, por isso não tenho a certeza do que eles querem.

Mas independentemente de onde o casal se encontra no espectro, entre o de-jeito-nenhum para agora-mesmo-se-pudéssemos, eu acho que é bom encontrarmos-nos com eles onde eles estão. Como é bom encontrar as pessoas onde elas estão à cerca dos feriados como neste domingo.

Por tanto tempo, havia apenas uma maneira certa de fazer as coisas, estar juntos, estabelecer-se… e isso é verdade no lado vampiro também. É bom que a sociedade finalmente se esteja a desviar de todas essas restrições, e dias como este domingo sejam uma lembrança de como a vida é demasiado variável para se caber numa caixa ou noutra.

O que não quer dizer que não esteja completamente extasiada para o brunch do Dia da Mãe que vai ser servido na mansão este domingo. O Fritz vai convergir a Primeira Refeição com o repasto menor tipo-almoço que normalmente ocorre entre um ou duas da manhã (quer isso dizer que é Prunch*?). E mal posso esperar para me sentar com o L.W. no meu colo, e conversar com a Layla, e rir com a Mary, e comiserar sobre fraldas com o Blay e o Qhuinn. Mas vou estar atenta aos outros na mesa que estão em locais diferentes.

Nunca esperei ser uma mãe. E nunca esperei viver com outras trinta pessoas. Mas é tão maravilhoso quando estamos todos juntos, em todas as diferentes formas, tamanhos, cores, e combinações que fazemos, a partilhar uma boa refeição, cozinhada com mãos carinhosas.

Para aqueles que o celebram, Feliz Dia da Mãe! Para aqueles que não, abraços no domingo e em todos os outros dias do mês e anos!

Até o próximo mês, montes de amor, Beth

-----

*Quase dia da Mãe – parece que somos muito emancipados… o dia da Mãe nos EUA é só no próximo domingo…

Brunches – para quem não sabe, ou não se lembra são uma mistura de pequeno-almoço e almoço ao qual eu nunca participei :P


Prunch – No original está Frunch que é uma combinação de Frist Meal (primeira refeição) com Brunch


E aqui está a Versão Original!

E acho que não tenho mais nada a acrescentar ao que a nossa Rainha favorita disse, por isso vou-me embora daqui que já não posso com os meus ombros...

Espero que tenham gostado e que fiquem bem e até à próxima!
Sunshine ;)

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Sinopse e capa do Verdade de Sangue (Blood Truth)

Olá pessoal!

Como estão?

Sei que demorei para os outros, mas este, como era pequenino, foi bem rápido!

Cristina Santos, mais uma vez obrigada pelos comentários :D

Hoje temos a Sinopse e a Capa Americana no 4º livro do Legado da Adaga Negra, sei que não os temos cá e que vai ser um pouco deitar lenha na fogueira, mas se a nossa Nighty continuar a fazer o excelente trabalho que já tem feito aqui no blog pode ser que pelo menos fiquem a saber o que acontece na história. :)


Ora bem, então cá vem a capa primeiro: 



Ela foi divulgada durante o evento que houve no primeiro sábado de Abril, mas só agora é que a consegui colocar (achei que tinha mais lógica colocar com a sinopse, uma vez que ainda não a tinha traduzido).

E agora a Sinopse (com o original a baixo):

Verdade de Sangue (Blood Truth)

4º livro do Legado da Adaga Negra

---V.P.---

Enquanto recruta no programa da Irmandade da Adaga Negra, o Boone triunfou como soldado e agora luta lado a lado com os Irmãos. A seguir à morte inesperada do seu progenitor, ele é retirado da escala contra os seus protestos… e ele dá consigo a trabalhar com o Butch O’Neal, antigo polícia de homicídios, para encontrar um assassino em série: alguém está a ameaçar fêmeas da espécie num clube de role play ao vivo. Quando a Irmandade é chamada para ajudar, o Boone insiste em ser parte do esforço… e a última coisa que ele esperava era conhecer uma fêmea misteriosas e sedutora… que muda a vida dele para sempre.

Desde que a sua irmã foi morta no clube, Helaine tem estado comprometida em encontrar o assassino, independentemente dos perigos que ela encontrar. Quando ela cruza o caminho com Boone, ela não seba se há de confiar nele ou não… e depois deixa te ter escolha. Quando ela própria se torna num alvo, e alguém perto da Irmandade é identificado como suspeito principal, os dois devem trabalhar juntos para resolver o mistério… antes que seja demasiado tarde. Será que um louco irá meter-se entre amantes ou será que o amor verdadeiro e a bondade irão triunfar sobre um mal muito mortal?

---V.O.---
As a trainee in the Black Dagger Brotherhood's program, Boone has triumphed as a soldier and now fights side by side with the Brothers. Following his sire's unexpected death, he is taken off rotation against his protests—and he finds himself working with Butch O'Neal, former homicide cop, to catch a serial killer: Someone is targeting females of the species at a live action role play club. When the Brotherhood is called in to help, Boone insists on being a part of the effort—and the last thing he expects is to meet an enticing, mysterious female...who changes his life forever. 

Ever since her sister was murdered at the club, Helaine has been committed to finding the killer, no matter the danger she faces. When she crosses paths with Boone, she doesn't know whether to trust him or not—and then she has no choice. As she herself becomes a target, and someone close to the Brotherhood is identified as the prime suspect, the two must work to together to solve the mystery...before it's too late. Will a madman come between the lovers or will true love and goodness triumph over a very mortal evil? 
----

Quem será que acham que pode ser o assassino em série? Eu sinceramente não estou a ver ninguém próximo à Irmandade que possa fazer uma coisa dessas (pelo menos não me estou a lembrar de nenhum doido assim tão varrido).

E por agora é tudo, e como não tenho mais nada para traduzir por agora acho que vou seguir o exemplo da nossa Moony e ler o The Savior!!

Fiquem bem pessoal, e até à próxima!
Sunshine ;)

terça-feira, 16 de abril de 2019

The Caldwell Courier Journal de Abril, parte 5

Olá pessoal!!!!

Como estão?

Sei que demorou mas cá está! Já acabei de traduzir o jornal de uma ponta à outra!!!

Adorei esta parte, espero que vocês também gostem! :D

Vou colocar os links das outras partes e da versão original lá a baixo.


The Caldwell Courier Journal

Volume 1, Fascículo 2                                                                                                            Abril 2019

Pergunta a um irmão

Este mês, a Jessica Evink pergunta: O que é que os pais acham de namorarem com as vossas filhas… que dizer, o Z, o Rhage, o Qhuinn e o Blay devem ter alguns conselhos, certo?


Em resposta à questão da Jessica, pedi aos cavalheiros para se juntarem aqui na sala de estar do segundo piso (daqui está a Beth a moderar, já agora). Também adicionei o Xcor nesta uma vez que ele também é padrasto. Força, rapazes!

#################

Rhage: Vou começar isto para dizer que não vai haver nenhuns encontros, por isso isto NÃO vai ser um problema para nós com a Bitty.

Qhuinn: *faz um high five ao Rhage* Afirmativo.

Xcor: Concordo.

Z: Sim.

Rhage: Fantástico! Estamos feitos e eu estou com fome. Quem quer alguns tacos? *levanta-se*

Blay: Pessoal, sem brincadeiras.

Rhage: Queres enchiladas? Também temos dessas…

Blay: Era suposto respondermos a esta pergunta a sério.

*toda a gente põe-se a olhar para o ruivo*

Rhage: E nós respondemos. *olha à volta* Não respondemos? *coro de sins*

Blay: Não, não responderam. Estás a querer dizer que quando a Bitty chegar à tua beira e disser – Pai, eu gosto mesmo deste rapaz e gostava que o conhecesses, - vais-lhe dizer não só que ela não pode trazer o rapaz cá a casa, mas que ela também não pode ir jantar com ele?

Rhage: *senta-se devagar* Bem, quando o dizes assim… sim, isso é exactamente o que vou dizer. Depois vou colocar uma bala num dos joelhos. Talvez em ambos. Provavelmente vai depender do quão esfomeado me estiver a sentir. Eu fico com bastante vontade de disparar quando estou hipoglicémico.

Qhuinn: *a acenar* Os machos estão completamente super-estimados. Quero dizer, olhem para nós. E os machos só querem uma coisa.

Blay: Amar as nossas filhas. Tomar conta delas. Honrá-las…

Xcor: Levá-las para a cama.

*sons altos de rosnados**estalo da segurança das armas a serem desarmadas*

Blay: *atira as mãos para o ar* Oh, vá lá. Todos vocês têm boas intenções para com as vossas fêmeas. Vocês estão em relações saudáveis. Porque é que não iriam querer o mesmo para as vossas filhas?

Rhage: Nós somos excepções que comprovam a regra.

Blay: Mas vejam o quanto mudaram.  Tu conheceste a Mary e acasalas-te com ela, e agora és uma pessoa diferente.

Rhage: Sim, e quais é que são as probabilidades de isso acontecer. E sabes quanto caos e dor é que eu causei algumas das fêmeas com quem estive? Não quero que a minha filha passe por isso. Eu era um prostituto e eu fiz bastantes danos colaterais.

Qhuinn: Proclama. *bate punhos com o Rhage*

Blay: Não podem evitar a dor nesta vida. E por vezes têm que passar por muito dela antes de o destino te dê o que queres *olha para o Qhuinn*. O que quero dizer é, vocês não as podem proteger de terem os corações delas partidos ou de experimentarem sexo.

*olhares negros por todo o lado*

Blay: *inclina-se para a frente* Um, vocês aperceberam-se que a Nalla, a Lyric e a Bitty vai fazer s…

Rhage: *tapa os ouvidos* Lalalalalalalalalala não vou ouvir isso…

Xcor: Não, elas não vão…

Qhuinn: Nunca enquanto eu for vivo…

Z: *abana a cabeça como se estive a ter convulsões*

Blay: *senta-se para trás* Uau. Isto vai ficar bem interessante depois da transição delas.

Rhage: Queres a minha conclusão? Queres que eu responda à questão a sério? OK, aqui está a minha, muito não politicamente correta, resposta. Se alguém macho quer namorar a minha filha, ele vai ter que vir ter comigo e perguntar-me e à mahmen dela propriamente. Depois ele vai ter que conhecer os meus irmãos e os meus manos e o Ruhn. E finalmente, vou apresentá-lo ao bom e velho tio Wrath que tem uma ótima relação com as pessoas. Depois se o c*brão miserável não se tiver cagado todo depois de tudo isto, e ele ainda quiser namorar com ela? Talvez,… apenas talvez… vou permitir que ele leve a minha Bitty até à cozinha lá em baixo e tome uma chávena de chocolate quente com ela. Talvez.

Qhuinn: *a acenar* Parece-me bem. O V pode fazer vigia através dos monitores.

Rhage: Exactamente. E eu vou estar de baixo da mesa. Com o tornozelo do b*stardo na minha boca.

Blay: Estão a dizer que as vossas filhas não são espertas o suficiente para verem através dos palhaços? Que vocês não as vão criar para que têm auto-consciência, auto-estima e bastante valor pessoal? Que vocês têm tão pouco respeito e consideração pela autonomia delas e habilidade de conduzirem as suas próprias vidas que vocês são ficar atrás delas como senhores da guerra a proteger de uma fraqueza que apenas vocês percebem que elas têm? Pela vida toda delas?

Rhage: *inclina-se para a frente* Não, estou a dizer que a Bitty é o meu coração a bater fora do c*ralho do meu corpo e que o mundo está cheio de rapazes de m*rda e aberrações que não a valorizam como eu o faço. Eu olho por mim e pelo que é meu e nunca irei desculpar-me por isso ou fingir que a violência contra as fêmeas não é uma realidade neste mundo. Eu amo a minha filha e eu confio nela para tomar conta de si… o que eu não confio, o que eu nunca irei confiar, é um estranho que entra na vida dela com um pênis nas calças e uma ideia genial na cabeça dele. Agora, toda a gente e os tios deles são pelo empoderamento e isso é fantástico. Eu apoio-o completamente. Mas que f*des com a minha filha, estás a pegar na tua vida com as tuas mãos, e nenhuma quantidade da “auto-actualização” da sociedade vai mudar o facto de que se tu a magoares, vou colocar-te num C*RALHO DE UM CAIXÃO.

Blay: * inclina-se para a frente* Vou-te dizer isto aqui e agora, e eu digo-o com todo o respeito, por favor quero que saibas…que vai haver um momento quando irás ter que dar um passo atrás e deixar que a Bitty viva a sua própria vida. Ou ainda a vais perder. Eu percebo-te com a coisa da proteção. Mas tens que te perguntar a ti mesmo, estás a protegê-la… ou estás a tentar salvar-te de admitir que ele não é apenas a tua filha, mas uma fêmea madura que tem o direito de fazer as próprias escolhas. Não a podes manter uma menina pequena para sempre, Rhage. E ela não pode ser exclusivamente tua, como a Mary é. Ela não é algo que possas trancar numa cave só porque não aguentas vê-la crescer e maturar…

Rhage: *põe-se em pé num salto**mostra os caninos* Vai-te f*der…

Xcor: *mete-se no meio deles e segura no Rhage* Calminha…

Qhuinn: *protege o Blay* Rhage, tens que te acalmar…

Rhage: *espeta um dedo no Blay**voz volumosa* Tenta essa m*rda com a tua própria filha, está bem? Tenta imaginá-la violada e descartada no meio da rua porque ela saiu com um macho que ela pensava que era um bom tipo e tu confiaste na m*rda do “ela sabe tomar conta dela própria” e ele f*deu-a toda! Estou-te a dizer isto, aqui e agora, vai haver um momento quando alguém faz alguma coisa merdosa à Lyric e vai querer f*de-lo até ele sangrar do rabo e precisar de um desgraçado de um transplante de fígado porque foste atrás dele com um pé de cabra! Veste-te na retórica da auto-estima aquilo que quiseres, mas espera até a Lyric estar fora e sozinha toda a noite e vê como que c*ralho é que te sentes na altura…

Beth: Chega! Isto foi longe de mais! *à medida que o Rhage se acalma, vozes mais baixas* Acho que precisamos de nos acalmar aqui. Meu, nós… uau. Está bem, então aquilo aconteceu.

*silencio**respirações pesadas por todo o lado*

Blay: Oh, meu Deus.

Rhage: O quê. *os olhos brilham* Di-lo. Di-lo m*rda…

Blay: Obrigado. *empurra o Qhuinn para fora do caminho* Obrigado, oh, Deus…

Rhage: *parvo**afasta-se do Xcor* Desculpa? Porquê…????

Blay: *abraça o Rhage* Tu és o melhor.

Rhage: *olha para o Qhuinn**gestiona com as mãos, todo WTF?* Um… Eu ainda agora ia-te esfaquear? Queres ser esfaqueado? Há alguma coisa que precises de falar com a Mary, tipo és suicida ou…

Blay *fecha os olhos* Por dizeres que a Lyric é minha filha. Por me deixares estar dentro disto como um verdadeiro pai.

Rhage: *levanta uma sobrancelha* Do que é que estás a falar? Tu és um pai de verdade? Tal como eu? Não percebo. O que é que me está a escapar?

Blay: *afasta-se um bocado* *os olhos brilham com lágrimas* Tu e eu estamos em lados diferentes da discussão, mas eu realmente… estava à espera que me dissesses que a minha opinião não contava porque eu sou só um padrasto.

Rhage: Oh, Deus não. *faz o sinal de tanto faz com a mão da adaga* Olha, estás errado em relação à coisa dos encontros. E nós vamos discutir bem mais sobre o assunto. Mas uma coisa que nunca questiono é que tu és pai dela… tal como o Xcor o é. Tal como o Qhuinn é. O nascimento apenas é parte disso. Aprendi isso quando adoptei a Bitty. O que é importante é aparecer todas as noites e amá-los com a melhor das nossas capacidades. A concepção e o nascimento de algumas maneiras é a parte mais fácil.

Blay: *esfrega os olhos* Obrigado. Significa tanto para mim. Obrigado.
*grande abraço entre eles**alguém funga, mas ninguém admite quem**o Qhuinn esfrega as costas do companheiro*

Z: *do sofá* É tudo apenas hipotético de qualquer maneira.
*todos olham para o Z*

Rhage: Porquê? *vira-se e funga**volta a virar-se* Porque vamos matar todos os machos com idade para sair?

Xcor: Isso iria requerer algum esforço, mas alinho.

Qhuinn: Há três de nós, contudo. Partilha a carga.

Xcor: Podemos fazer isto…

Z: *encolhe os ombros* Estamos a imaginar que vai acontecer o pior. Que um canalha incompetente vai aparecer à porta das nossas filhas com uma erecção, um livro negro cheio de nomes de outras fêmeas e um canivete escondido no bolso do c*. Estamos a ficar agressivos agora porque estamos apenas a olhar o nosso pior medo na cara, e não a encontrar os olhos de um macho vivo e a respirar que realmente se importa com as nossas filhas. É fácil bater no peito e ser todo duro na teoria. Mas quando elas finalmente trouxerem alguém cá a casa, quem sabe… talvez realmente cheguemos a gostar do c*ralho do desgraçado.

Rhage: *coloca as mãos na cintura* Houve, Z, se vais continuar a fazer sentido assim, vou ter que deixar de andar contigo.

Z: *a levantar-se* Nunca vou gostar disso. Mas talvez consiga aprender a viver com isso se isso fizer a Nalla feliz. Eu acho que esse é o ponto do Blay. Ou pelo menos parte dele. Não sei. Doí-me a cabeça.

Beth: *do canto* Sabem que mais, não ia colocar os meus dois cêntimos na coisa, excepto para parar vocês os dois de se matarem. Mas, só para que vocês fiquem cientes, eu planeio em educar o meu filho para ser o tipo de macho que eu gostaria de estar com se eu fosse uma fêmea da idade dele.

Rhage: Então antes de conheceres o Wrath, querias estar com um psicopata com um gatilho muito fino, o vocabulário de um Nova Iorquino, e uma voz que faz com que os testículos de machos crescidos cheguem à cintura pélvica como se tivessem sido ameaçados com o final do negócio de produção de bovinos?

Beth: Bem, quando o colocas assim… *abana a cabeça para voltar ao assunto* Quero dizer, concordo com o que o Z está a dizer. Eu apenas quero que o L.W. seja o tipo de macho que os pais iriam gostar. Apenas isso.

*silêncio longo*

Rhage: *pragueja* Parece que temos todos que passar por isso.

Blay: Ámen para isso. Pelo menos temo-nos uns aos outros.

Rhage: E tacos. Quem quer? *o consenso é um grande sim* Vamos comer.


(Editado para adicionar: Enquanto o grupo saiu junto, o Rhage colocou o braço à volta do ombro do Blay e o Blay fez o mesmo. É uma boa lembrança de que mesmo que não concordem um com o outro, a família ainda se mantém… e mastiga… junta! Mas fogo, vai ser um longo caminho até isto ficar resolvido, estou-vos a dizer.)

----

E então? Temos o Blay a voz da razão e depois temos todos os outros... XD

Quero só dizer que fiquei comovida com a conclusão que o Z tirou após ouvir o Blay. :)

Artigos anteriores: