terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Lover at Last – Blay e Layla



Bom dia!

Vocês leram o que aquela bandida da minha chefe escreveu sobre mim? O ciúme é uma coisa tão feia… Ok, no caso dela, até lhe fica muito bem… Viram o que chamou à minha Miquinhas musa? Chamou-lhe coiso de plástico! Fosse eu uma folhinha de papel, mi Micas… E aquilo de me entrar gruta adentro sem autorização? Meto-me com sucateiros e só me arranjam fechaduras manhosas… Isto não pode continuar assim! Tenho de tomar medidas urgentemente! Tomar medidas e, possivelmente, mais alguns comprimidos para as vozes… Diz que não lhe dou afufalhos que chegue… Onde já se viu tal infâmia? Mas será que me pagam o afufalhedo? *asas nas ancas* A minha conta bancária não tem apitado euros… Mim afufalha, mim faz vénias, mim obedece… às vezes…
Não percebo estes chefes de hoje. Antigamente, é que era um luxo! Quando diziam que iam pôr machos lindo em fila às patinhas para meu uso particular, essas coisas aconteciam… Agora, querem afufalhos a toda a hora e momento sem oferecerem contrapartidas aliciantes… ou deliciosas… babosas… salivosas… maciosas… amorosas… musculosas… a cheirar a rosas…
Mim vai pedir a rescisão do contrato!
Mim vai pôr a chefe nos tribunais.
A ela e à outra senhora humana que diz que escreve e não escreve nada. Disse que ia haver spoilers bons, mas anda desmemoriada. Disse que ia escrever noveledo Rhage / Mary, mas, cá para mim, já está tudo morrido e matado, finado e falecido.
Assim não há condições para se morcegar em blogues!
Adiante.
Eu sei que já vos falei do medo que eu tenho de a senhora escritora me arruinar o Blay, não já? Há coisas que têm de ser deixadas como estão. Mexer é estragar. Por isso, hoje trago um micro-spoiler de Blay a encontrar-se com Layla pela primeira vez, depois de ter visto o teto da biblioteca a abanar… He he he

Até à próxima.
Beijos bons.

MICRO - SPOILER PARA ALGUNS
Lover at Last

Mal saiu para o corredor, respirou fundo, acalmou-se e começou a encaminhar-se para o estúdio do rei.
Mais à frente, Blaylock, filho de Rocke, aparece abruptamente no hall das estátuas, sobrolho carregado, o corpo envolvido em cabedal desde os ombros à sola das enormes botas. Seguindo em frente, ele verifica as armas uma a uma, tirando-as dos coldres, substituindo-as, recolocando-as no sítio.
Layla estacou.
E quando o macho, finalmente, levantou os olhos para ela, o aristocrata era um guerreiro da Irmandade, mas não um bruto. Independentemente do modo como passava as suas noites no terreno, ele permanecia um cavalheiro bem-educado, inteligente, de comportamento exemplar e erudito.
Por isso, não a surpreendeu que, mesmo apressado, ele se curvasse ligeiramente pela cintura num cumprimento formal antes de ir a correr pela grande escadaria.
Enquanto descia, ouviu a voz de Qhuinn.
Estou apaixonado por alguém…
Layla praguejou baixinho como era o seu novo costume. Era tão triste o estado de coisas entre aqueles dois guerreiros, e a gravidez não ajudava em nada.
Mas os dados estavam lançados.
E todos teriam de viver com as consequências.

Este Blay é espantoso. Aconteça o que acontecer, doa o que doer, há uma coisa que ele é incapaz de fazer: ser rude, ou mal-educado. É um amor tão lindo!
Se a senhora humana escritora me der cabo do cenourinha, vou ter com ela com uma faca grande!




3 comentários:

Blay no seu melhor! Obrigada pelo spoiler que me parece um bocado familiar. XD
Bjs

Primeiramente boa tarte!(Segundamente?) ainda bem que o Blay é cavalheiro ou eu não queria estar no lugar da Layla... alias eu nem de maneira alguma queria estar no lugar dessa..... *respira fundo* Escolhida.
É bom que o Blay tenha paciência para ele que chegue e que sobre para mim também, ou se a Layla existisse ia haver mortes...