segunda-feira, 24 de junho de 2013

ENTREVISTA A J R WARD (Pela Irmandade!)

Boa segunda-feira!

Ai, valha-nos a Santa dos mamíferos alados!
Fui enxovalhada no facebook pelo Qhuinn e pelo Vishous! O Blay já me tinha ameaçado... Estou que nem posso, o meu ego pequenino está em baixo... Só a Cormia é que me liga!... (porque o Phury está em parte incerta e ela não tem com que se entreter, claro!)
Antes disso descubro que a mmbooks é a denise... O QUE É QUE SE PASSA COM VOCÊS?

Vou entrar de greve, está mais que visto!
Isto dos blogues não é uma função pública?
Greve, já!

Pronto... greve noutro dia...

Hoje trago-vos um segmento de uma entrevista da Irmandade à J R Ward. O Wrath faz as perguntas, mas ninguém a deixa responder e fartam-se de mandar bocas uns aos outros. Está muuuuuito fixe.
Porque é que é só um segmento?
Porque o resto era uma seca pegada e não estava com pachorra.
Sim, os morcegos também se cansam.
Greve! Greve! Greve!

Agora, se não se importam, vou fazer um cartaz e sair para a rua gritar palavras de ordem!

Pronto... só mais logo... agora está muito sol e arruina-me a beleza...

Fiquem bem.
Beijos bons.




 [Segmento de uma entrevista da Irmandade à JR Ward]


Wrath: Pergunta seguinte. Cor preferida?
Rhage: (levanta a mão) Eu sei! Vermelho raivoso [raiva = rage = Rhage]
Butch: Raivoso… (desata a rir). És um naboólico! Tu sabes que és. Um verdadeiro naboólico.
Rhage: (a assentir gravemente) Obrigado. Tento sempre superar-me em tudo o que faço.
V: Temos que o meter nos Nabos Anónimos.
Rhage: Não sei… Aquele programa dos Tricotadeiros Anónimos não fez merda nenhuma por ti.
V: Isso é porque não faço tricô.
Rhage: (passa a mão pelos ombros de Butch) Meu Deus, a negação é uma coisa tão triste, não é?
V: Ouçam…
Wrath: A minha cor preferida é o preto.
Phury: Não tenho a certeza do preto ser uma cor, meu Senhor. Tecnicamente é a soma de todas as cores, por isso…
Wrath: Preto é cor. Ponto final.
Butch: Phury, essa sensação de ardência no cu deve-se a teres sito chutado por decreto real.
Phury: (a estremecer) Acho que tens razão.
V: Eu gosto de azul.
Rhage: Claro que gostas. É a cor dos meus olhos.
V: Ou de um bom hematoma facial.
Butch: Eu gosto da cor do ouro. Pelo menos quando se trata de metais.
V: E fica-te bem.
Rhage: Eu gosto do azul, porque o V também gosta. E eu quando crescer quero ser como ele.
V: Então vais precisar de entrar em regime e deixar de usar elevadores.
Rhage: Aposto que dizes isso a todas as gajas com quem sais. (Abana a cabeça) Também as obrigas a fazer a barba, não obrigas?
V: Sempre é melhor do que mandá-las de volta aos estábulos, como tu fazes.
JR: Eu gosto de preto.
Wrath: Ponto! Agora, próxima pergunta…
(…)
Wrath: Comida favorita?
Rhage: Uma sanduíche de Rhage e Butch.
JR: (vermelha como um tomate) Oh, não, eu…
Rhage: Que foi? Como se quisesses o V nela.
JR: Não, Eu não penso em ti como…
Rhage: Olha… (dá-me palmadinhas está-tudo-bem-querida no joelho) ter fantasias é bom. São saudáveis. É por isso que a pele do Butch está tão brilhante e a palma da mão direita tem pelos – ele deseja-me. Por isso, sinceramente, eu estou habituado.
JR: Eu não…
(…)
V: Sabes, Hollywood, na enciclopédia há uma fotografia do teu focinho à beira de “Narcisismo”.
Rhage: Eu sei! Posei para ela. Foram tão queridos em chamar-me.

V: (desata a rir) Tu és tão maluco!

Sim, a publicação é pequenita... mas é jeitosinha, não é?

Rhage! Rhage! Rhage!, ou melhor, Vishous! Vishous! Vishous!

(Estou a aquecer a garganta para logo à noite!)

1 comentários:

Eu não quero ser má, mas eu tenho a impressão que já tinhas colocado esta parte da entrevista na altura em que estavas a traduzir o Father Mine. ?!?!?!