sábado, 31 de agosto de 2013

A Força do Amor II

Saudações Amantes da Irmandade,

hoje, é mais um dia...e mais um pouco da história enviada pela nossa Francisca!

Boas Leituras!

- Está tudo bem com eles, está tudo bem com eles. Não entres em pânico, não entres em pânico.   
Era a milionésima vez que repetia isto para si mesma enquanto andava de um lado para o outro, gastando ainda mais o soalho da velha casa em que agora viviam. Acariciou o alto redondo do seu ventre.
 - Está tudo bem com o teu pai e os teus tios, não é?   
Cansada acabou por sentar-se no gasto sofá que enchia, com outras poucas mobílias a pequena sala. Acabou por ficar mesmo em frente ao retrato da sua família.
Querida virgem, como tudo tinha mudado desde o verão passado, a sua família foi uma das muitas afetadas pelos ataques, os seus pais foram mortos. Quando tudo aconteceu ela estava com Blake e os seus irmãos estavam lá fora, nas ruas de Caldwell.
Infelizmente com a morte do seu pai tudo tinha acabado, era graças à sua linhagem e ao seu sangue que ela e os seus irmãos sempre tinham sido tolerados, a sua mãe era mestiça o que aos olhos da glymera era motivo de escárnio, discriminação, rejeição. Assim perderam tudo. Blake não provinha de uma família rica o que aos olhos deles, também era motivo suficiente para ser colocado de lado. Mas, para ela, ele era um resistente.
No fundo, não sentia falta de nada disso. Nem dos bonitos vestidos, nem das joias, nem das festas. Sentia falta sim, dos seus pais e dos doggens. Do seu carinho, dos mimos das alegrias e tristezas típicas de uma família, até das discussões com os seus irmãos. Mas principalmente sentia falta da sua mahmen dos abraços e do colo quando estava triste e dos conselhos quando não sabia o que fazer.
 - Gostava tanto que tivesses aqui comigo para viver este momento – disse enquanto olhava a imagem da sua mahmen e começava a chorar novamente.
Pensativa e temperamental recordou todos os bons momentos que tinham passado juntas e acabou por lembrar-se do que lhe costumava dizer quando era pequena e as coisas não lhe corriam bem.
Tenta alcançar o que julgas ser impossível, luta por tudo o que queres, aceita os desafios do destino e procura entre as dificuldades o maior tesouro que a vida tem, o amor.

 Era isso tinha de acreditar, do fundo do seu coração que eles estavam bem e que iam voltar… enxugou as lágrimas que lhe desciam pelo rosto com determinação, não podia perder mais nada. Levantou-se, agarrou no telefone e marcou o número de Blake mais uma vez... Ouvir de novo a sua voz no atendedor não a surpreendeu e fez com que as lágrimas voltassem.

1 comentários:

Coitada da fêmea/Annabelle! Grávida e não sabe do helren!

Espero o próximo capítulo venha depressa. ;P