sexta-feira, 4 de outubro de 2013

TEXTO


Bom Dia


O som suave de metal deslizando acordou-me de meu sono. Passei a mão na cama e nada. Mais uma vez estava vazia. As presas picavam na boca. Levantei-me e entrei no banheiro, liguei o chuveiro e deixei que a água tomasse conta de meu corpo. Lavei cada canto, e me sentia estranha, como se quisesse sair de minha própria pele. Sabia o que era essa sensação. Estava agora familiarizada com ela. Fechando o grifo de água, saí do box e me enxuguei, vestindo apenas um roupão negro.
Andei duas portas pelo corredor de estátuas e ouvi o som de George.
Abri a porta do escritório, entrei e deixei que George saísse para só então fechar com a chave. Ele ergueu o rosto sorrindo. Era sempre assim quando estava perto de mim. Encarei-o. Meus pés descalços deslizaram pelo tapete felpudo enquanto caminhava em sua direção. Antes que falasse comigo, antes de permitir que me beijasse, segui meus instintos que gritavam em todo o meu corpo.
Ajoelhei em frente a ele pegando-o de surpresa e minhas mãos delicadas agarraram sua calça de couro, abrindo o botão e baixando o ziper. Não precisava de muitas palavras. Ele já sabia o que eu queria, e de forma a me ajudar, ergueu o quadril para que eu pudesse puxar sua calça e sua boxer preta. Meus olhos não desviaram do membro que saltou orgulhoso, erguido e muito suculento. Estava com fome. Fome dele. Tomei o membro com a mão, segurando em sua base enquanto o engolia com a boca. Wrath arqueou-se. O corpo todo em tensão, agarrando meus cabelos negros. Pequenos gemidos saíam de sua boca enquanto eu, com a minha, lambia, chupava e sugava. Senti meu sexo gemer em protesto. Também precisava dele, mas ainda não. Agora ele me pertencia, totalmente entregue a meus cuidados. Droga.... Vê-lo assim... tão submisso e indefeso pelo que eu lhe fazia, me deixava mais quente que o inferno. Minha cabeça subindo e descendo num movimento constante, as mãos de Wrath a me segurarem os cabelos... tudo isso me deixava extremamente excitada.
- Merda leelan...
Não me importei, seu protesto era música em meus ouvidos. De forma que continuei o movimento, permitindo que seu membro deslizasse suave pelos meus lábios até alcançarem o fundo de minha garganta. Minhas mãos segurando suas coxas rígidas me informavam que ele não iria durar muito. Soltei seu membro após uma última lambida e abri o roupão. Ele era tão lindo de se ver. Um macho daquele tamanho, com a boca aberta tentando tomar ar, os olhos brilhando as presas à mostra. Tudo nele me deixava louca.
Subi em seu colo e o montei. Mesmo estando pronta, sua invasão era quase dolorosa. Joguei a cabeça pra trás ao senti-lo me preencher. Minhas presas fizeram-se maior. Com o olhar cravado no dele ergui-me e voltei a descer, num delicioso movimento de vai-vem. Wrath segurou minhas nádegas, ajudando a imprimir mais velocidade e força às estocadas, fazendo com que meus gemidos se unissem aos dele, até que senti-me partir em duas. E me vi gritando pela força da liberação. Ergui a cabeça de seu pescoço e ainda com o olhar nebuloso, encarei-o e sorri.
- Bom dia nallum.



Lu Cavalcante

1 comentários:

Cristo!!!!! Um "Bom Dia" desses...Sem comentários!!!!!!!