quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Um dia calmo na Mansão

Saudações Amantes da Irmandade,

Saudades de mim??? Não? Eu sei, estou habituada *riso* Ora bem, e porque me enviaram uma historiazinha/conto, para o email. e porque eu AMEIIII e digo-vos... nada....é o que parece *gargalhada* Obrigada a Barhbara Hillock que nos enviou a sua pequena história, querida, ansiamos por mais ;)

Aqui vai ;)

Morcego, não leves a peito sim? *gargalhada*

Hoje estava a ser um dia calmo.....

O grande relógio da entrada marcava uma hora para a Ultima Refeição, e dentro de pouco tempo os Irmãos deveriam estar a regressar. Talvez não fosse má ideia ficar pela entrada, para ir sabendo das novidades em primeira mão.

Não tardou muito e a grande porta da entrada abriu. O primeiro a chegar foi o Rhage, passou por mim a caminho da cozinha, chamando efusivamente pela sua Mary. Nunca vi ninguém sempre tão desesperado por calorias. Se bem... que suspeito que era outro tipo de alimento que ele precisava, porque logo de seguida vi os dois a virem de lá em direcção à grande escadaria. Pronto, e decididamente eles precisavam de um quarto... Na base das escadas, contra a parede e ignorando que não estavam sozinhos, Rhage bloqueou com o seu corpo o de Mary. No silêncio do átrio só se ouvia a respiração e os gemidos dela. Uma das mãos de Rhage tinha subido para a nuca dela e a outra aprisionava um dos seus seios. Com uma das presas percorreu-lhe o pescoço, enquanto lhe sussurrava e só parou na sua boca, para afundar-se nela. De onde estava não era dificil de adivinhar o estado de excitação de ambos. De repente, talvez pressentindo a minha presença, Rhage olhou-me, piscou-me o olho, agarrou ao colo Mary e desapareceram escada acima. Aqueles dois tinham um grande assunto para acabar.

Ainda estava a recuperar desta visão, quando a porta de entrada se abriu novamente... e o cheiro da brisa do oceano precedeu a entrada de Marissa. Como a gosto de a ver! Uma visão de outro mundo. E então agora que anda vestida com aqueles fatos de executiva, tem um ar tão decidido e confiante. Apesar de continuara a não simpatizar com o Butch, tenho um carinho especial por Marissa. Ela passou por mim, fez-me um grande sorriso e no seu habitual passo apressado foi em direcção ao Fosso.

Visto que só tinham passados uns minutos, desde que estava à entrada, resolvi matar o tempo indo dar uma volta pelos corredores. Ao passar à porta do escritório de Wrath, as portas estavam fechadas e o pobre do George cá fora. Para variar o Warth e a Beth deveriam ter algum assunto muito importante e confidencial para tratar. E pelo barulho que se pressentia, estaria capaz de lembrar ao Fritz que verificasse a mobília. O rangido que se ouvia de vez em quando sugeria uma verificação de parafusos ou de óleo.

Continuava a minha deambulação, admirando o que estava em redor quando me chegou ao nariz um cheiro fétido, a mofo a ao apurar os ouvidos, apercebi-me de um leve adrejar de asas. Mas, que raio seria isto?

De passo apressado e sem fazer barulho aproximei-me de onde vinha o som.  Ao entrar no corredor das estátuas, vi ao fundo qualquer coisa a esvoaçar e a dobrar a esquina. Quando a contornei tive uma visão horrorosa, um morcego... um morcego preto, peludo e mal-cheiroso. Corri o mais que pude e preparava-me para saltar e atacar quando aquele bicharoco horroroso escapuliu-se pela janela que estava entreaberta no fundo do corredor. Irritado e andando de um lado para o outro não me apercebi da chegada de Vihsous:

-Outra vez aquela morcego danada. Estou farto das intromissões dela. Fizeste um bom trabalho a enxota-la!

Dito isto voltou-me costas e seguiu direito para a sala de refeições.

O meu peito estava inchado! Um elogio do Vihsous! Uau!

Segui-o até ao fundo das escadarias onde já se tinham juntado quase todos os Irmãos e as suas shellans. O coro de vozes a algumas gargalhadas ecoavam pelo grande átrio. E era tão bom assistir a isto tudo! Estava tão distante nos meus pensamentos, que não dei por todos terem ido para a sala de refeições. Perto de mim, Beth parou e disse-me:

-Então Boo, o que estás aqui a fazer sozinho?  Anda eu levo-te....

Pegando em mim ao colo e acariciando-me a cabeça não pude deixar de pensar........

“Hoje estava a ser um dia calmo...”


*Nasan


2 comentários:

Muito bom! Adorei! Pena que o Boo não goste da Morcego, eu acho-a fofinha! ;P

Adorei, de coração. Que inveja desse povo que vai para a mansão xD