sexta-feira, 21 de março de 2014

NO INTERVALO DA IRMANDADE



Olá, olá! Tudo bem-disposto?

Mim acordou animadérrima. Para além de bonita, quase uma supermodela, dormi muito bem e estou viçosa como as flores… Hoje, quem me vê passar até pensa que sou uma borboleta de tão princesa que estou. Ok, devo ter exagerado na maquilhagem…

A senhora humana escritora deitou mais um coisito cá para fora – consultar fiçubuco ó-se-faz-favor. E porque é que eu vos mando para lá? Para o caso da MissyLi estar a ler isto, ela diz que só quer cheirinhos (mim quer TUDO: o cheiro, a visão, o tato, o paladar, a audição… T.U.D.O) por isso, estou a ponderar deixar de traduzir seja o que for.

Quem também apareceu por aqui foi a Patrícia. Ela diz que é nova nestas coisas… Olá, mim morCeGo e sou das velhas! A minha chefe é a Nasan e ainda é mais velha do que eu! Bem-vinda a este antro de perdição, qual gruta de pessoal tresloucado e sem juizinho nenhum. Estou a falar por mim, claro!... E vocês nem sabem da missa a metade… Ui, ui!

Antes de passar ao livro sugerido, beijos bons à Viviana e à Rute que se moribundam comigo à espera do The King. E fazem questão de mo lembrar a cada instante, claro!


Sugestão nº3 – Sangue de Anjo, de Nalini Singh




Ora aqui está uma série que vai com já com 5 ou 6 livros. Mim papou tudo. Em Portugal só foi editado este. Convenhamos que a tradução está fraquita e há gralhas em cima de gralhas. Coisices e enervedo traduteiro e revisor à parte, existe uma coisa salivante chamada Raphael – arcanjo poderoso e pornograficamente delicioso que vai contratar uma profissional apanhadeira de vampiros para o auxiliar a encontrar um arcanjo mau como as cobras.

Obviamente, isto vai descambar num romance tórrido de fazer perder o fôlego. Ai, que estou a ver o Raphael… Ahh… O livro é um misto de ação / terror quando não está na parte do papa-anjo. Ahhhh!...

Esta coleção é uma das milhentas que sigo, acho-a bastante original – mais que não seja por não haver um livro dedicado a cada um dos anjos – segue de perto este casal caçadora / arcanjo, vê-se o desenvolvimento da relação, os altos e baixos e, no meio, temos ação angelical, com lutas de poder entre os arcanjos, vampiros desgovernados, enfim… Quando não papa anjo, ela caça anjo, mata coiso e ele passa-se com ela, passa-se da cabeça, ganha poderes… É muuuuito fiiiixe.


Meus amores, bom fim-de-semana!
Beijos bons.
Leyam livros!


Aguçadeiros de apetite:


[Primeira visão do arcanjo… he he he… Depois de contratada, Elena vai ter com o arcanjo para saber pormenores do seu trabalho. Encontram-se no telhado da Torre – espécie de World Center angelical]


“Largou a mala de mão em cima da mesa, caminhou devagar até ao extremo mais próximo… e olhou para baixo. Sentiu uma grande vontade de rir ao ver os anjos entrar e sair da Torre. Pareciam ao alcance da sua mão, aquelas asas poderosas eram uma tentação.
- Cuidado – a voz era serena, o tom divertido.
Elena não se mexeu, pois sentiu a rajada de vento provocada pela aterragem silenciosa.
- Apanhavam-me se eu caísse? – Perguntou, sem olhar para ele.
- Se estivessem para aí virados. (…)
- Nunca estive num sítio tão alto.
- E que tal?
Elena respirou fundo e recuou um passo antes de olhar. O impacto foi como uma pancada física. Ele era… “lindo” – olhos de um azul tão puro, como se algum pintor celestial tivesse esmagado e misturado safiras à tinta que usou para pintar as íris com o pincel mais fino que encontrara.
Ainda estava mal refeita do choque físico quando de repente o vento varreu o telhado, levantando no ar madeixas daquele cabelo negro. Bem, negro era uma palavra demasiado corriqueira. Tratava-se de um negro tão puro que continha ecos da noite, vívidos, arrebatados. Escadeado descuidadamente até à nuca, revelava as feições angulosas do rosto e Elena sentiu as unhas arrepiar-se, tanta era a vontade de o acariciar.
Sim, ele era lindo, com a beleza de um guerreiro ou conquistador. Aquele homem tinha o poder estampado em todos os centímetros da sua pele, em todos os fragmentos da sua carne. E ela ainda não tinha reparado na perfeição e na elegância das suas asas. As penas eram brancas e macias e pareciam polvilhadas de ouro. Mas quando se concentrou, Elena viu o que lhe dava esse aspeto – cada filamento de cada pena tinha a extremidade dourada.
- Sim, isto é lindo. – disse ele, interrompendo o seu fascínio.
Elena pestanejou, depois sentiu-se corar, sem saber há quanto tempo estava especada a olhar para ele:
- É.
(…)
“Com um pequeno aceno de mão e um ar divertido, Raphael caminhou até ao outro lado da mesa e ao tocar nos mosaicos impecáveis, as suas asas rasparam e deixaram neles uma marca cintilante de ouro branco. Elena estava certa de que ele o tinha feito de propósito. Os anjos nem sempre deitam pó-de-anjo. Quando o faziam, ele era imediatamente recolhido, quer por mortais, quer por vampiros. Cada partícula daquele pó branco valia mais do que um diamante impecavelmente lapidado.
Mas se Raphael estava convencido de que ela ia pôr-se de joelhos e esbracejar, bem podia esperar.
- Não estás com medo de mim – disse ele.
Ela não era estúpida a ponto de lhe mentir.
- Estou petrificada. Mas creio que não me obrigaste a vir até aqui só para me empurrar lá para baixo.
A boca dele encurvou-se, como se ela tivesse dito uma piada.
- Senta-te, Elena – o nome parecia diferente nos lábios dele. Um vínculo. Como se ao pronunciá-lo ele ganhasse algum poder sobre ela. – Como disse, não tenciono matar-te. Hoje, pelo menos. (…)
- Que idade tens? – Perguntou ela sem querer, incapaz de conter a curiosidade.
Ele abriu muito os olhos.
- Não tens qualquer noção de autodefesa? – Era um comentário casual, mas ela ouviu o aço sob a superfície.
Dedos gelados passearam pela espinha. (…)
- Fala-me dos teus talentos. – Era uma ordem, o tom dele uma lâmina avisadora. O arcanjo deixou de a achar divertida.”
(…)
- Perdi a fome.
Ele pousou o copo.
- É um insulto de sangue recusar a mesa de um arcanjo.
Elena nunca tinha ouvido aquele termo, mas se envolvia sangue, não podia ser nada de bom.
- Comi antes de vir para aqui – completamente mentira. Não tinha conseguido engolir nada a não ser água e mesmo assim com um grande esforço.
- Então bebe – uma ordem tão absoluta que Elena percebeu que tinha de ser imediatamente obedecida.
Mas qualquer coisa dentro dela perguntou: “… Se não?”
O vento parou. Até as nuvens pareceram imobilizar-se.
A morte suspirou ao seu ouvido.



Ahhhhhhhhhh…



Nota: O preço deste livro é de 14,90€ (wook e fnac)

5 comentários:

Já li e adorei. :3
Mas só me arranjaram até o Archangel's Blade, falta-me os outros dois que sairam entretanto :(
Eu encontrei o sangue de anjo antes de ouvir falar da irmandade, ou pelo menos antes de começar a ler a saga da irmandade XD

Saudações!!!!

Confesso que li, e AMEI, mas detestei pelos pontos que a MorCeGo já referiu, a tradução...... melhor nem falar. mas a historia em si e deliciosa, o que tenho pena é de ter sido editado só este em Portugal, mas espero que a nossa Lena esteja a ver isto e dê um puxão de orelhas na malta, e diga a eles: " Onde raios estavam com a cabeça? Voltem a editar o livro, tudo ali nos trinques, revejam de fio a pavio. E vamos editar os seguintes ou as leitoras ainda nos comem vivos!!! Bora, toca a mexer esses traseiros, e a fazer voar esses dedos!" *riso*

*Nasan

Olá

Eu também li este e adorei a história, gostava mesmo que os outros 6 vissem, será??? esperança é a última a morrer
BJS

Amoreca Morceguinha eu sigo te para todo o lado.... aqui no face e onde tu me mandares mais!!!!

Não tenham pena da Viviana que eu já lhe dei os livros todos. He he he