quinta-feira, 6 de outubro de 2016

2º Slice of Life da Newsletter da Ward + Sinopse Completa do Blood Vow

Olá pessoal!!!!

Tudo bem?

Finalmente saiu a Newsletter de Outubro e para além da Slice of Life temos a sinopse completa do Blood Vow!!! Go Ward!!!

Agora vamos ao que vocês querem, está bem... ;)

Primeiro a "Fatia da Vida" na versão tuga.
“Fatia da Vida” de Outubro
29 de Setembro de 2016
Por: J.R. Ward
Traduzido por: Sunshine

Mais uma vez com sentimento, Parte 2
a.k.a Vishous Não É O Meu Animal Espiritual
Enquanto estou à frente do Vishous na sala de Bilhar, sou relembrada de algo que li há algum tempo atrás que dizia que a fobia mais comum que os humanos têm é a de falar à frente de um grande número de pessoas. Aparentemente, também é um pesadelo que o pessoal tem de tempo em tempo? O que eu acho interessante à cerca dos dois é que, enquanto eu tenho uma quantidade grande de falhas de ignição neurológicas defeituosas com as quais eu tenho que lidar frequentemente, uma das poucas falhas que não possuo é a de falar publicamente.
O que eu não gosto? Conversas mano-a-mano, intimas… e raios, e enquanto o V me dá aquele olhar superior dele, aqueles olhos de diamante estreitos e fixados em mim, sou relembrada precisamente do porquê de eu não gostar de conversas intimas. À medida que ele me olha lá de cima, é como se ele estivesse dentro do meu cérebro, a ver as fendas que eu não me dou ao trabalho de examinar, a maquinar algum tipo de rearranjo de mobília mental, a vagar por lá e ligar as luzes a seu bel-prazer.
Na verdade, eu sinto como se uma faca gama* estivesse a fatiar finamente a minha massa cinzenta. É tão mau, que eu preferia estar numa cocktail party- e isso já quer dizer muita coisa.
-Não, não és o meu favorito. – limpo a minha garganta enquanto o corrijo. – E eu estou aqui para ver o Lassiter. Talvez eu irei apenas… un, o Fritz está? – Espera, eu já disse isto. E eu já tinha visto o mordomo. – Eu podia, ah…
Yup, a única maneira em que isto piora é com ele a sorri para mim agora. O que significa que ele está a fazer uma das duas coisas: 1) ele está a apreciar todo o embaraço a que me estou a submeter; ou 2) ele está a imaginar-se a apagar aquele cigarro na minha cavidade ocular, ou algo do género. #bonstempos
Posso ir para casa agora, penso para mim mesma…
- Eu não sei porque não o admites.
Aquele arrastamento que era quase sotaque Europeu de leste desenrolava através dele; parte inglês, parte francês, com algum alemão enfiado lá no meio. É devido a ele ser um membro da aristocracia por nascimento… apesar de eu achar curioso que ele tenha as vogais altivas e as consoantes arqueadas da glymera considerando que ele nunca passou muito tempo perto deles. Sem dúvida que foi por ter estado na Irmandade todos estes séculos… pensando bem, eu não iria excluir a hipótese de a Virgem Escrivã ter entrelaçado a fala soar como realeza europeia a um filamento de ADN específico no seu programa de criação não extinto.
- O meu favorito é o Z. – Assumi. Apesar de, nesse momento, a citação da caixa de chocolates Forest Grump passa pela minha cabeça: Os Irmãos, não se pode escolher só um. Espera, talvez fosse uma publicidade das Lays? Oh, Deus, estou a ficar maluca. – Sempre foi o Z para mim.
- Ainda bem que ele não sabe. - V dá uma passa no cigarro e segura o fumo nos pulmões. Falando, em seguida, ao mesmo tempo que exala. - Ele odeia pessoas que se chegam demasiado perto.
A minha fúria aumenta, mesmo sabendo que era isso que o Vishous queria. - Não sejas... - Vou mesmo dizer isto? Un, yup. - Não sejas um m€rdas.
- Oh, eu não lhe vou dizer. - Ele apaga o cigarro enrolado num cinzeiro da Hermes que estava balançado na borda da mesa de bilhar. - Eu não acredito que pensavas que iria fazer isso.
- Sim, claro. Porque és um grande humanitário.
- Nem por sombras.
- Por isso entendes a minha preocupação.
- Nope. E, estás a ver, esta é mais um exemplo de como tu falhas o alvo. Tu, por mim podias ir à m€rda. O meu Irmão, por outro lado? Não estou interessado em alarmá-lo. E a última é o motivo de eu ficar calado.
- E ainda perguntas porque não estás no topo da minha lista.
- Nunca. Porque é uma mentira. Contudo, eu acho curioso que não consigas ser verdadeira.
- Estamos a ir em círculos aqui.
- Não, nós temos estado parados.
À medida que ele indica com a mão os nosso pés que estão, de facto, solitários.** Eu realmente, seriamente, totalmente... quero dar-lhe uma joelhada nos tomates- ou no único tomate que ele ainda tem. Mas eu não sigo à frente com o impulso, mais porque, conhecendo a minha sorte, eu iria falhar e partir a minha rótula na parte de baixo da mesa. E convenhamos- apesar de nenhum dos Irmãos ter alguma vez levantado as suas mãos contra mulheres ou fêmeas... será que quero mesmo testar essa teoria com o Sr. Irritadiço?
- Não sou irritadiço.
- Importas-te de sair da minha cabeça? -Expludo.
Eeeeeee é assim que tem sido entre nós os dois. Constantemente. Todas as cenas. E o porquê de Na Sombra do Sonho (título português do Livro do Vishous) eu ter tido a pior experiência de escrita da minha vida.
- Aproveita o teu anjo, - murmura o Vishous enquanto ele pega no cinzeiro e vira-me as costas. – E os teus delírios.
- Eu não sou maluca. – Grito para as costas dele.
- Tu passas todos os dias a falar com personagens ficcionais.
- Se fosses ficcional, não me punhas doida como me pões! Tu farias aquilo que te era dito e terias tento nas tuas maneiras!
Nas ombreiras ornamentadas do arco para a entrada, ele olha por cima do ombro e alça a sua sobrancelha. – Quando eu quiser que implores, eu digo-te.
- Vais fazer com que beba!
Ele não volta a olhar para trás. Ele apenas vai através do vestíbulo com o seu estupidamente ridículo, estupidamente mal cheiros hábito mauzão- que na realidade cheira fantasticamente- e a sua atitude mais-sagrado-que-você- apesar de que, para ser justa, ele é descendente de uma divindade- e o seu desgraçado, odiador de Apple, dominador, dominante-
Espera, onde é que eu ia?
Com um resmungo, encosto o meu rabo não existente na beira da mesa de bilhar e esfrego os meus olhos. Eu não bebo nada alcoólico desde que eu tinha, tipo, dezanove anos, e nada, mas nada, me vai fazer pegar em nada com álcool. Honestamente, sempre pensei que o sabor era horroroso, mas eu também não quero perder as calorias, e mais do que os dois anteriores, eu não gosto mesmo nada de ficar embriagada. Mas BOLAS, ele faz-me querer apenas…
Bem, eu não sei o quê, mas é grande, sujo e provavelmente envolve atirar bolos como um episódio de I Love Lucy.
O pior de tudo? O pior, pior de tudo? Ele está certo. De baixo de todas as discussões e das coisas difíceis… Eu adoro-o perdidamente. Ao ponto de que, se eu tivesse que escolher favoritos, eu teria que admitir que a baixo do Z, tipo, mesmo a baixo do Zsadist, separados pela largura de um fio de cabelo… está aquele horror com uma barbicha, e das tatuagens na fronte, e aquela porcaria sabichona, superior e elitista. Eu realmente não consigo explicar o porquê de eu ter uma afinidade assim com algo que me enche a paciência desde modo- masoquismo? Inseguranças? Porque eu sempre me sinto como se tivesse que mostrar o meu valor com ele e este é o tipo de coisa que eu acho irresistível? Ou talvez seja por eu ser o tipo de pessoa que não tem tendência de ser enfrentado, espicaçado, incitado… e eu tendo a gostar e a respeitar o pessoal que me enfrentam de frente.
- Eu acho que também gostas de mim. – Eu respondo-lhe, mesmo que ele não me possa ouvir. – Eu acho.
- És de Beantwon***, porque não haveria de gostar?
Eu salto e gaguejo, e foco no Butch que está na ombreira e relaxo com o alívio. – Oh, és tu.
O Butch entra na sala de Bilhar e está maravilhosa esta noite, vestido num fato de seda azul escuro que diz Monte Carlo e não Las Vegas. A sua camisa branca-gelada está aberta no colarinho e ele cheira como uma amostra de revista, alguma coisa deliciosa e muito cara. E, oh, aqueles olhos cor-de-avelã. Sabes, uma vez conheci um rapaz que tinha olhos cor-de-avelã como os do Butch- ele tocava no grupo Fort Ticonderoga Fife & Drum Corps#, e ele era um mauzão com uma cara de morrer. O pão perfeito para um crush de verão para uma rapariga de dezasseis anos, especialmente naquelas vestimentas da América Colonial.
- Então ele acabou de sair, huh. – O Butch inclinou a cabeça por cima do ombro a indicar a porta. – O meu rapaz, V, quero eu dizer.
- Então sentes o cheiro do fumo.
- Sim, a sair dos teus ouvidos. – O espertalhão sorri, expondo o dente da frente lascado. – Eu sempre sei quando vocês os dois ficam num espaço fechado juntos. Ele volta para o computador e joga World of Warcraft durante horas.
Eu encolho-me. É um bocado complicado pensar que eu tenho qualquer tipo de efeito no Vishous. – A sério?
- Sinhe. Atão com’ tens passado?##
Eu adoro o sotaque de Boston. Faz-me pensar no Good Will Hunting, uma dos meus filmes favoritos. E também do The Town, outro dos meus grandes fav (olá, Bem Affleck nu com tatuagens).
- Estava bem até.- não, eu estou bem. – Digo. - O Fritz vai trazer-me scones. O que poderia estar errado, verdade? Vais à igreja?
- Daqui a bocado, yup.
Eu penso na sua cruz de ouro enorme, e na sua fé… e depois, por alguma razão, lembro-me dele naquele carro perto do rio, a fazer sexo com aquela empregada de bar enquanto o sol nascia sobre o Hudson. Lembram-se disso? Quando ela queria que ele lhe dissesse que a amava e ele disse? Deus, aquilo foi triste. Mas a luz estava prestes a raiar na vida dele- ele só tinha que passar por alguns desafios complicados primeiro. Quem iria pensar que o tipo espectacular do Sul de Boston era um parente do Wrath. De doidos.
- Hey, posso perguntar-te uma coisa? – Quando ele acena e sorri, eu penso, wow, as coisas sempre foram fáceis entre nós os dois. – Costumas ver o Jose de la Cruz, o teu antigo parceiro nos homicídios?
Uma mudança apodera-se da cara do Butch, as feições a estreitarem-se. E eu abruptamente senti-me culpada por perguntar. Apesar disso, eu não vou retirar a questão, e eu espero, pacientemente, pela sua resposta…
Continua no Próximo Mês!
*Tratamento radioactivo controlado informaticamente
**Também não percebi...
***Outro nome que se dá a Boston, EUA
# Banda de música militar
## Tentativa de fazer algum tipo de sotaque, desculpem qualquer coisinha… :P

Que acharam? Não foi nada do que eu estava à espera... e depois apareceu o Butch... Será que ela vai "correr" a mansão toda antes de aparecer o Lassi?

Quem quiser pode ver a versão original AQUI!!!

E agora vamos à sinopse do Juramento de Sangue (Blood Vow). :)
----V.P.----
A Irmandade da Adaga Negra continua a treinar os melhores dos melhores para se juntarem a eles na batalha mortal contra a Sociedade Minguante. Entre os novos recrutas, Axe demonstra ser um lutador astuto e perverso- e também um solitário isolado devido a uma tragédia pessoal. Quando uma fêmea aristocrata precisa de um guarda-costas, Axe aceita o emprego, apesar de ele não estar preparado para a atracção animal que deflagra entre ele e a pessoa que ele jurou proteger.
Para Elise, que perdeu a sua prima directa num assassinato brutal, a atracção perigosa de Axe é cativante- e possivelmente uma distracção para a sua dor. Mas, à medida que eles se entranham mais fundo na causa da morte da prima dela, e a sua conexão física desenvolve para algo muito maior, Axe tem receio que o segredo que ele mantém e a sua consciência torturada os vá separar.
Rhage, o Irmão com o maior coração, sabe tudo sobre auto-punição, e ele quer ajudar o Axe a atingir o seu pleno potencial. Mas quando uma chegada inesperada ameaça a nova família da Mary e do Rhage, ele encontra-se de volta às trincheiras, a lutar contra o destino que irá destruir todo o que lhe é mais precioso.
À medida que o passado de Axe vem à tona, e o destino parece que se está a virar contra o Rhage, ambos os machos devem chegar mais fundo- e rezar para que o amor, em vez da raiva, seja a lanterna deles na escuridão.
----V.O.----
The Black Dagger Brotherhood continues to train the best of the best to join them in the deadly battle against the Lessening Society. Among the new recruits, Axe proves to be a cunning and vicious fighter—and also a loner isolated because of personal tragedy. When an aristocratic female needs a bodyguard, Axe takes the job, though he’s unprepared for the animal attraction that flares between him and the one he is sworn to protect.
For Elise, who lost her first cousin to a grisly murder, Axe’s dangerous appeal is enticing—and possibly a distraction from her grief. But as they delve deeper into her cousin’s death, and their physical connection grows into so much more, Axe fears that the secrets he keeps and his tortured conscience will tear them apart.
Rhage, the Brother with the biggest heart, knows all about self-punishing, and he wants to help Axe reach his full potential. But when an unexpected arrival threatens Rhage and Mary’s new family, he finds himself back in the trenches again, fighting against a destiny that will destroy all he holds most dear.
As Axe’s past becomes known, and fate seems to be turning against Rhage, both males must reach deep—and pray that love, rather than anger, will be their lantern in the darkness.
---

Mais uma coisa pela qual eu mal posso esperar... E vocês?

E por hoje é tudo que eu tenho que ir dormir (já devia estar na cama há que tempos... xD)

Fiquem bem e até à próxima publicação,
Sunshine ;)

0 comentários: