sexta-feira, 19 de abril de 2013

PARA O PÚBLICO TUGA QUE AGUARDA O 9º VOL - Spoilers


Depois de me esforçar muito por rever este livro (principalmente as cenas com o V… e são só metade do livro… Já vos falei das velas negras?…), eis-me aqui!

Andam graciosas almas lusas muito desorientadas. Eu sei que só traduzo coisas do último livro e há quem queira saber dos outros… Apesar de só terem que esperar uns QUATRO ou CINCO MESES para o terem… coisa pouca… Que horror! Tanto tempo!...

Também sei que ia parar com estas maluquices traduzideiras, mas… sou mentirosa.


(Todas as tristes traduções são marca morCeGo – um verdadeiro artigo de luxo! )


Lover Unleashed (Adaga Negra 9)
Quem não quiser saber, que não leia




Lembram-se de vos dizer que o V queria acabar com a raça do Manny neste livro?

ANTES do Manny aparecer:

“- Tens tantas certezas relativamente a esse médico – murmurou Payne.
Ah, nem por isso. A única certeza que tinha era que se o merdas a matasse, esta noite havia um funeral duplo – partindo do princípio de que sobraria alguma coisa do humano para enterrar ou queimar.”

Manny QUASE a chegar:

“- Promete-me uma coisa. (Butch a falar)
- O quê?
- Que não matas o cirurgião (…). Não é culpa do tipo, nem é problema dele.
V atirou a beata para o caixote e olhou em volta, os olhos de diamante mais frios que a noite no Ártico.
- Vamos ver como corre.”


DEPOIS de Manny examinar Payne:

“- Ela não vai para um hospital de humanos. Ponto final.
O médico estranhou o “humano” na frase, mas por pouco tempo.
- Então não opero.
V. atirou-se ao homem (…).
- Entra e começa a cortar. – rosnou V.
O humano mal conseguia respirar, mas a asfixia não o deteve e enfrentou-o. Fitou V nos olhos. Incapaz de falar, fez com a boca: Não vou.”


A propósito do meu Qhuinn, tirei esta:

“Os olhos azuis de John estreitaram-se. E onde está a tua artilharia?
- No armário das armas.
- Não são as armas, a merda que tinhas na cara.
Qhuinn limitou-se a abanar a cabeça e foi-se embora, nada interessado em discutir todos os pírcingues que tirou.”


            OK, tive pena de vocês e vou-vos mostrar que história é aquela das velas. Pensem num V a sentir-se no abismo do desespero:


“Foi até uma das velas negras sem se aperceber que as botas atravessavam o chão.
E aquela coisa estava-lhe na mão antes de ter consciência que a segurava. O desejo ampliou a chama… e inclinou a ponta da vela acesa sobre o peito, cera negra quente derrama-se sobre o colo escorrendo para dentro da camisola.
Fechou os olhos, deixou a cabeça pender para trás enquanto inspirava ruidosamente através das presas.
Mais cera na pele despida. Mais dor.
Quando ficou ereto, parte dele estava consciente, a outra sentia-se enublada. A mão enluvada, porém, não se importou com a personalidade dividida. Foi até à braguilha das calças e libertou o pénis.
À luz da vela, viu-se a baixar a vela e a segurá-la por cima da ereção… de seguida inclinou-a para baixo.
Uma lágrima negra soltou-se da fonte de calor e foi em queda livr…
- Foda-se…
Quando as pálpebras relaxaram o suficiente para que as conseguisse abrir, olhou para baixo para ver a cera endurecida no rebordo da glande, a pequena linha a mostrar o caminho até onde tinha caído.
Desta vez gemeu mesmo quando inclinou a extremidade da vela… porque sabia o que aí vinha.
Mais gemidos. Mais cera. Uma praga ruidosa seguida de outra inspiração.
Não havia necessidade de ficar sem ar. A dor era a suficiente, a queda rítmica no pénis a disparar choques elétricos aos testículos e aos músculos das coxas e do rabo.
De vez em quando, movia a chama ao longo do membro para conseguir atingir a carne fresca, a ereção saltava cada vez que a atingia… até que se fartou dos preliminares.
Escorregou a mão livre para debaixo dos testículos e pôs o sexo na vertical.
A cera atingiu-o mesmo onde queria e a dor aguda foi tão intensa que quase caiu…
As pernas aguentaram, salvas pelo orgasmo, ao mesmo tempo que se vinha, a energia da libertação deixou-o hirto da cabeça aos pés.
Cera negra por todo o lado.
Esperma por todo o lado, pelas mãos e pela roupa.
Como nos velhos tempos… exceto numa coisa: a merda do vazio.”



Bom fim de semana!

1 comentários:

Até me falta o ar!!! V é um dos "meus + favoritos" (sim, porque favoritos são todos) - risos e sorrisos e...baboseiras. Beijos :)