quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Blood Kiss - Apetitoso!

Saudações Amantes da Irmandade!

Hoje trago algo ÚNICO! E agradeço a nossa Nightshade.

E aproveito para passar a mensagem da Nighshade para vocês:

" Olá fãs da Irmandade. Foi com muito gosto que traduzi este excerto do livro Blood Kiss, para vos aguçar a curiosidade e mostrar à editora que vai valer a pena editar o Legado da Adaga Negra em Portugal. Portanto comentem e opinem para conseguirmos isso. Nasan, obrigada por esta oportunidade.

Espero que gostem :) "






Blood Kiss


(...)

Desculpa... estão a fazer o quê?
Butch ao falar, olhou para o grupo só de machos, sentados à volta da mesa da sala de jantar da mansão. Nenhum dos Irmãos nem nenhum dos soldados se estava a rir ou a falar alto. O bando de figuras tristes falhadas estava apenas sentado em frente de pratos meio comidos e copos de vodca, bourbon e uísque por beber como um conjunto de cães bassett hounds que perderam os seus anti-depressivos.
Não era o que esperava encontrar ao chegar mais tarde à Última Refeição.
Quando Marissa lhe havia enviado uma mensagem a dizer que estava com as fêmeas, pareceu ser boa ideia adiantar as tarefas em relação aos alunos.
Não abancar neste tipo de funeral só porque as senhoras estavam a fazer um projecto.
- Olá? - Exigiu. - Perderam a audição ou alguma coisa?
Wrath inalou como se estivesse prestes a anunciar a morte de um familiar.
- Elas estão a fazer uma noite de cinema.
Butch revirou os olhos e sentou-se na sua cadeira. Sim, era um bocadinho esquisito sentar-se sem a sua Marissa ao seu lado, mas pelo amor de Deus, não era nada que necessitasse de Prozac. Para além disso, ele estava contente que a sua mulher tivesse amigas.
- Elas estão a ver Magic Mike - disse alguém.
- Isso é um show para crianças? - Ele recostou-se quando Fritz colocou um prato fumegante de cordeiro à sua frente. - Obrigado, oh, obrigado, sim, adoraria uma bebida. Vou querer um Lagavulin com gelo...
Butch parou de falar quando reparou que a mesa inteira de machos olhava para ele.
- Que é?
- Não ouviste falar sobre o Magic Mike? - Perguntou Rhage.
- Não. - Ele recostou-se novamente ao ser-lhe entregue a bebida. - Obrigado. É como o Barney?
- É sobre strippers - contrapôs Hollywood.
Butch franziu o sobrolho enquanto baixava o copo dos seus lábios.
- Desculpa?
V saiu da despensa com a bolsa do tabaco, um pacote de papel de enrolar, e uma carranca como se alguém tivesse tirado as pilhas do seu brinquedo sexual favorito.
- Gajos nus - murmurou Vishous ao sentar-se no sítio onde Marissa costumava ficar. - Rabos ao léu. E são humanos. Cristo, é como estar a ver um bando de cães.
- Com fio-dental - desdenhou outro.
Butch resolveu beber desta vez, engolindo o ardor, aceitando o calor no seu estômago. Okay, muito bem, foi com surpresa que viu que tinha bebido até o copo ficar vazio, mas bem, ele tinha muito em que pensar. 
Por um lado, o facto da sua shellan estar a ver um filme com as suas companheiras não ser um problema, mesmo que algum nudismo estivesse envolvido.
Por outro lado, querer encontrar o quadro eléctrico que desligava a energia daquela parte da mansão. 
Incendiar o DVD. E o ecrã.
E levar a sua companheira para a cama só para lhe mostrar todos os truques que ele tinha a mais do que algum actor em... ah, Deus, em fio-dental?
- Está tudo bem - ouviu-se dizer ao pedir a um doggen outra bebida. - Quero dizer, primeiro que tudo, elas amam-nos... e segundo, não é como se fosse para adultos...
- Eles mostram uma bomba peniana - disse Lassiter com um largo sorriso, como se estivesse a ajudar. - E ao vivo. Sabem, está no pénis e estão a bombear...
Vishous saca da adaga e aponta a coisa à cabeça do anjo caído.
- Continua a falar assim e faço-te um penteado novo. De olhos fechados.
Lassiter deu uma gargalhada: - Okay, como queiras, grandalhão. Pensei que tivesses mais mojo do que te chateares com este tipo de coisa. És assim tão inseguro?
- Queres insegurança? - Disse V. - Eu dou-te a...
- Okay, okay - interrompe Butch. - V, deixa lá isso. Está tudo bem, é óptimo... que elas estejam a divertir-se. Que há de errado com isso? Não é como se estivessem a dormir com o gajo.
- Tens a certeza? - Lassiter ri-se. - Não achas que elas podem fantasiar com...
O rosnado colectivo que se fez ouvir por parte da Irmandade foi tão alto, que conseguiu abanar os cristais do enorme candelabro pendurado sobre a mesa. E o anjo caído podia ser um idiota, mas não era estúpido.
Movendo-se devagar, como se múltiplas armas estivessem apontadas nele, ele coloca as suas mãos em submissão.
- Desculpem. Como queiram. Eu paro antes que esses lamentos que vocês, bando de idiotas, fazem me matem.
- Uma escolha inteligente - diz Butch secamente. - Não que me importasse de te bater neste momento. Não que seja específico para este momento.
Lassiter voltou a comer, a enfardar comida na boca.
Os Irmãos não foram tão rápidos a fazer um reset, os olhos semicerrados e as presas ainda apontadas à boca descarada do anjo.
- Vá lá, rapazes, está tudo bem. - Butch corta um pedaço de cordeiro e enfia-o na boca. - Mmm. Delicioso.
Na realidade, aquilo sabia a cartão, mas ele deu um show de «Mmmm's». No entanto, não conseguiu continuar.
Dois minutos depois, empurrou o prato cheio e acariciou o segundo uísque.
- A sério. Elas deviam de ter alguma independência. Elas não têm que estar presas às nossas coxas, e ouçam, a vida aqui gira em torno de nós. Já é tempo de fazerem algo só para elas. A sério. Isto é óptimo.
Ao lado dele, V acende um gordo cigarro enrolado à mão.
- Ai é? Gostas da ideia da Marissa ver o material de outro macho?
- Não é para adultos... - Quando a voz se quebrou, ele aclarou a garganta. - Quero dizer, não pode ser... não, não é...
- Já verifiquei - murmurou Rhage. - Elas têm os DVD's todos, provavelmente estão a ver as versões alargadas e sem as cenas cortadas.
- Então os strippers não são circuncisados? - Lassiter colocou as mãos dele no ar novamente quando o segundo rosnado foi ainda pior. - Jesus, vocês são tão sensíveis.
Butch abana a cabeça e decide que o anjo fica por conta dele.
- Então, sim, quero dizer, algumas viravoltas, um ou dois músculos. Não é nada para ficarmos chateados. Fritz, posso ter outra bebida?
O mordomo apressou-se a pegar no copo vazio.
- Alguém gostaria de sobremesa? Temos gelado caseiro e Petit Gâteau.
Butch olha para Hollywood.
- Que dizes, meu?
Quando Rhage só se limitou a girar o seu ginger ale no copo, Butch pragueja e diz ao Fritz: - Este aqui vai querer, mesmo que mais ninguém queira.
- Traz-me a sobremesa. - Disse Rhage.
Fritz faz uma vénia com o copo de Butch na mão.
- Com certeza, senhor. Eu mesmo irei prepará-lo...
- Não. Quero a sobremesa inteira. O bolo todo e o gelado todo.
Eeeeeeeeeee foi assim que Hollywood acabou por ter uma audiência rabugenta a testemunhar o seu consumo de quinze pequenos bolos de chocolate e cinco litros de gelado de baunilha.
Era como ver tinta a secar, excepto não haver cheiro químico e a sala ser da mesma cor antes e depois. 
As boas notícias era que o álcool estava a fazer o seu trabalho, a mente a ficar enevoada, o seu corpo a ficar dormente e ao mesmo tempo excitado.
- Posso ter outra? - Perguntou a um doggen que estava a tirar o último prato com restos de chocolate. - Muito obrigado.
Quando o seu copo regressou, ele empurra a cadeira para longe da mesa.
- Vou-me embora. Tenho trabalho a fazer.
Não queria ofender ninguém, mas ficar entre aquela vibração só o fazia sentir ainda mais deprimido. Mais disto e começaria a fazer tranças no nó corrediço.
Ao sair, ele pára no grande vestíbulo. Olha para as escadas. Tenta imaginar a sua Marissa a cobiçar algum actor em roupa interior.
- A sério. Está tudo bem. Bom para ela.
Ele tira o telemóvel e selecciona as mensagens. Hesitando, pensa em enviar qualquer coisa, para a lembrar...
Uau.
Na sua interacção humana, ele nunca teria dado a mínima para algo como isto. Marissa não era só o amor da sua vida; ela era uma fêmea de valor que nunca o iria trair. E, olá, não era como se ela fosse dar entrada num motel barato com um gajo, pelo amor de Deus. Ela estava com as suas amigas tal como ele quando estava com os dele.
Isto era ridículo.
Ele não era do tipo ciumento...
O som de botas de combate a aproximar-se fez com que olhasse por cima do ombro. Era Rhage, e o Irmão tinha um copo a efervescer com Alka-Seltzer na sua mão. 
Hollywood olha para as escadas. E raios o partissem, ele estava a pensar exactamente no mesmo que Butch.
- Vou para cima - anunciou o tipo.
- Vá lá, espera, espera. - Butch agarrou naquele antebraço enorme e apertou. - Não podes, simplesmente, aparecer lá.
- Porque não? 
- É noite de mulheres.
- Então, arranjo um vestido.
- Caralho, Rhage. A sério?
A seguir, estavam com eles V, John Matthew e Tohr. E toda a gente, incluindo Wrath... e até Manny, que apesar de ser completamente humano, estava ali junto com o resto das caras tristes.
- Nós não vamos lá para cima - anunciou Butch. - Vamos jogar bilhar, embebedarmo-nos e falar das matanças que tivemos naquele ataque em Brownswick. Vamos ter uma noite fantástica... ou dia, o que seja. Agora agarrem nos testículos e vamos começar a comportarmo-nos como machos.
***
- Ele tem talento. Só estou a dizer.
À medida que a Dra. Jane falava, a audiência cativada concentrava-se no grande ecrã em total e absoluta concordância.
Payne soltou outro dos seus famosos assobios.
Xhex praguejou e atirou outro Milk Duds para a imagem, gritado: - Foda-se, filho, tu percebes dessa merda! Percebes mesmo!
Marissa só se ria. Ela não conseguia decidir o que era mais divertido, os filmes ou a companhia... provavelmente a companhia. Apesar de, tinha que admitir, os humanos serem uma boa visão.
E depois era tempo para mais uma ronda de assobios e uivos.
Ela não era capaz de se lembrar da última vez que se riu assim tanto. Havia alguma coisa em estar com as raparigas que faziam as piadas serem más e boas ao mesmo tempo, rindo mais alto.
E também lembrou-a de como era bom ser aceite por ser exactamente como era, sem expectativas externas sobre ela, sem défices que não se tinha voluntariado a ter. Sem julgamentos, só amor.
Mais um número de tipos nus que eram quase tão escaldantes como o seu macho? Sem problemas.
Quando a ultima cena acabou e os créditos começaram a rolar, elas bateram palmas como se os actores as pudessem ouvir.
- Podes-me ensinar a assobiar assim? - Perguntou alguém a Payne.
- Basta colocares dois dedos nos lábios e soprar - respondeu ela.
- Isso não é uma deixa de um filme? - Alguém entrou na conversa.
- Eles vão fazer um terceiro...?
- Magic Mike Ginormous...
- Temos que ver o primeiro e o segundo novamente como preparação... temos que ter uma tradição de apoiar...
- Alguém viu recentemente Nove semanas e Meia...?
- O que é isso...?
As fêmeas levantaram-se das poltronas e espreguiçaram-se na sala com luzes esmorecidas e sem janelas, as costas a estalar e os ombros a descomprimir. Marissa sentiu uma necessidade de se meter na conversa, de dizer alguma coisa profunda e com sentido, só para reconhecer o espaço onde estava. Mas não saíram as palavras certas.
Em vez disso, disse: - Podemos fazer isto outra vez?
No entanto, talvez fosse mesmo aquilo que ela queria dizer.
Bem, quem diria, a galeria encheu-se de elogios empolgantes tão altos como os assobios nas cenas de dança, e a ideia de que este tempo especial não era só para uma vez, fê-la sentir-se aliviada.
- Penso que para a próxima precisamos de uma maratona de Chris Pratt.  Guardians of the Galaxy - disse Beth.
- É o tipo com o irmão? - Perguntou Bella.
- Esse é o Hemsworth. - Respondeu alguém.
Ao saírem da galeria, Marissa amarrotou a caixa vazia de Milk Duds e atirou-a fazendo pontaria no caixote do lixo. Abruptamente, apercebeu-se que não conseguia esperar para ver Butch, e não por causa de todas aquelas cenas de corpos meio nus. Ela sentia saudades dele, o que era ridículo, considerando que nenhum deles tinha ido para lado nenhum.
Ao caminhar para a porta, passando pela máquina das barras de chocolate, ela sorria quando abriu...
- Meu... Deus - disse ela a encolher-se.
O corredor estava cheio com os machos da casa, os Irmãos e soldados e Manny, sentados no chão encostados à parede, as pernas esticadas, cruzadas nos joelhos ou nos tornozelos.
Aparentemente, houve bastante bebida envolvida, garrafas vazias de vodca e uísque espalhadas à volta deles, copos nas mãos ou apoiadas nas coxas.
- Isto não é tão patético como parece - disse o Butch dela.
- Mentiroso - disse V. - É exactamente como parece. Acho que vou começar a tricotar.
À medida que as fêmeas apareciam, cada uma delas registava choque, descrença, e depois uma irónica diversão.
- Sou só eu - lamentou um dos machos - ou acabámos de realizar a nossa castração em massa?
- Acho que resume esta merda toda - alguém concordou. - A partir de agora vou usar tanga debaixo das calças de cabedal. Alguém se quer juntar a mim?
- Lassiter já usa - disse V levantando-se e indo ter com Jane. - Olá.
E foi altura de reunião de grupo.
À medida que os outros pares se encontravam, Butch sorriu enquanto Marissa se aproximou dele e ajudou-o a levantar-se do chão. Ao abraçarem-se, ele beija-a num dos lados do pescoço.
- Estás sem amor por mim agora? - Ele murmurou. - Porque sou um mariquinhas?
Ela encosta-se a ele.
- Porquê? Porque ansiavas ir atrás de mim enquanto via um filme obsceno com as minhas raparigas que não era assim tão obsceno? Eu acho - e agora prepara-te - que és muito fofo.
- Ainda sou todo macho.
Ao esfregar o corpo contra o dele, ela deixou sair um «mmmm» ao sentir a erecção dele.
- Sim, já deu para perceber.

(...)


Só me resta dizer... 

EU QUERO!!!!!!!!!!! Pelos Santinhos da Leitura, este livro promete! Eu quero, mas quero tanto que chega a doer!

Grupo Leya..... tragam este menino lindo, fofinho e único até nós!!!! Please!!!!

*Nasan

13 comentários:

HAAAAAAAAAAAAAAAA MORRI x.x
Só não sei se foi de amor ou de tanto rir kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Simplesmente AMEIIIII.
Continuo a repetir que adoroooo este blog. Valeu meninas tornaram meu dia uma delícia de pura alegria.
Super loucaaaaaaa para ler esse livroooo.

Ahaha, o que eu me ri!
A já habitual dose cómica dos livros da Ward, eu quero o livro só para me poder rir mais um bocado

Ora bem.... Que posso eu dizer... ADOREI!!! Espero bem que a editora pense com muito carinho no Legado....


Nassan esta cena faz te lembrar alguma coisa?

Aí meu Deus... preciso ler... surtando. ...

Saudações!

Fico feliz por gostarem deste bocadinho hehe e aposto que a nossa Nighshade também gostou de ver esse entusiasmo a esta pequena e maravilhosa tradução.

Obrigada queridas.

Ohhh se me lembra.... HAHAHA

*Nasan

SIMPLESMENTE AMEI, AMO A IRMANDADE E QUERO LER TUDO. OBRIGADO POR ESTE BOCADINHO =)

quem é que eu tenho de matar para conseguir este livro em português?
eu assino todos os baixos assinados todos os acima e dos lados também....onde quiserem
LEYA POR FAVOR MAS POR FAVOS EDITA O LEGADO DA IRMANDADE....POR FAVOR....
Nighshade POR FAVOR CONTINUA A TRADUZIR SE A LEYA NAO EDITAR NOS FAZEMOS UMA VAQUINHA E ABRIMOS UMA EDITORA SO PARA A ADAGA TA BEM?

Gostei bastante da tradução, Nightshade, fez jus ao original! :)

E peço desculpa por ainda não ter lido as tuas traduções do Immortal, mas não tenho tido tempo.

Parabéns. ;)

Oi meu nome e Antonecilda tu tem ideia quando vao tratuzer esse livro colocalo na internet

Ei moca eu adorei pode mim dizer quan sera o lançamento

Saudações Antonecilda,

Não temos conhecimento de quando será publicado este livro em Versão Portuguesa. Assim como não será feita [da nossa parte] qualquer tradução do livro [Completo] para colocar na Internet. Apenas nos limitamos a fazer esta publicação aqui, para aguçar as curiosidade dos leitores.

Até breve

*Nasan

Agradeço a todos o vosso feedback. Espero que gostem também das traduções de Immortal.