terça-feira, 16 de abril de 2019

The Caldwell Courier Journal de Abril, parte 5

Olá pessoal!!!!

Como estão?

Sei que demorou mas cá está! Já acabei de traduzir o jornal de uma ponta à outra!!!

Adorei esta parte, espero que vocês também gostem! :D

Vou colocar os links das outras partes e da versão original lá a baixo.


The Caldwell Courier Journal

Volume 1, Fascículo 2                                                                                                            Abril 2019

Pergunta a um irmão

Este mês, a Jessica Evink pergunta: O que é que os pais acham de namorarem com as vossas filhas… que dizer, o Z, o Rhage, o Qhuinn e o Blay devem ter alguns conselhos, certo?


Em resposta à questão da Jessica, pedi aos cavalheiros para se juntarem aqui na sala de estar do segundo piso (daqui está a Beth a moderar, já agora). Também adicionei o Xcor nesta uma vez que ele também é padrasto. Força, rapazes!

#################

Rhage: Vou começar isto para dizer que não vai haver nenhuns encontros, por isso isto NÃO vai ser um problema para nós com a Bitty.

Qhuinn: *faz um high five ao Rhage* Afirmativo.

Xcor: Concordo.

Z: Sim.

Rhage: Fantástico! Estamos feitos e eu estou com fome. Quem quer alguns tacos? *levanta-se*

Blay: Pessoal, sem brincadeiras.

Rhage: Queres enchiladas? Também temos dessas…

Blay: Era suposto respondermos a esta pergunta a sério.

*toda a gente põe-se a olhar para o ruivo*

Rhage: E nós respondemos. *olha à volta* Não respondemos? *coro de sins*

Blay: Não, não responderam. Estás a querer dizer que quando a Bitty chegar à tua beira e disser – Pai, eu gosto mesmo deste rapaz e gostava que o conhecesses, - vais-lhe dizer não só que ela não pode trazer o rapaz cá a casa, mas que ela também não pode ir jantar com ele?

Rhage: *senta-se devagar* Bem, quando o dizes assim… sim, isso é exactamente o que vou dizer. Depois vou colocar uma bala num dos joelhos. Talvez em ambos. Provavelmente vai depender do quão esfomeado me estiver a sentir. Eu fico com bastante vontade de disparar quando estou hipoglicémico.

Qhuinn: *a acenar* Os machos estão completamente super-estimados. Quero dizer, olhem para nós. E os machos só querem uma coisa.

Blay: Amar as nossas filhas. Tomar conta delas. Honrá-las…

Xcor: Levá-las para a cama.

*sons altos de rosnados**estalo da segurança das armas a serem desarmadas*

Blay: *atira as mãos para o ar* Oh, vá lá. Todos vocês têm boas intenções para com as vossas fêmeas. Vocês estão em relações saudáveis. Porque é que não iriam querer o mesmo para as vossas filhas?

Rhage: Nós somos excepções que comprovam a regra.

Blay: Mas vejam o quanto mudaram.  Tu conheceste a Mary e acasalas-te com ela, e agora és uma pessoa diferente.

Rhage: Sim, e quais é que são as probabilidades de isso acontecer. E sabes quanto caos e dor é que eu causei algumas das fêmeas com quem estive? Não quero que a minha filha passe por isso. Eu era um prostituto e eu fiz bastantes danos colaterais.

Qhuinn: Proclama. *bate punhos com o Rhage*

Blay: Não podem evitar a dor nesta vida. E por vezes têm que passar por muito dela antes de o destino te dê o que queres *olha para o Qhuinn*. O que quero dizer é, vocês não as podem proteger de terem os corações delas partidos ou de experimentarem sexo.

*olhares negros por todo o lado*

Blay: *inclina-se para a frente* Um, vocês aperceberam-se que a Nalla, a Lyric e a Bitty vai fazer s…

Rhage: *tapa os ouvidos* Lalalalalalalalalala não vou ouvir isso…

Xcor: Não, elas não vão…

Qhuinn: Nunca enquanto eu for vivo…

Z: *abana a cabeça como se estive a ter convulsões*

Blay: *senta-se para trás* Uau. Isto vai ficar bem interessante depois da transição delas.

Rhage: Queres a minha conclusão? Queres que eu responda à questão a sério? OK, aqui está a minha, muito não politicamente correta, resposta. Se alguém macho quer namorar a minha filha, ele vai ter que vir ter comigo e perguntar-me e à mahmen dela propriamente. Depois ele vai ter que conhecer os meus irmãos e os meus manos e o Ruhn. E finalmente, vou apresentá-lo ao bom e velho tio Wrath que tem uma ótima relação com as pessoas. Depois se o c*brão miserável não se tiver cagado todo depois de tudo isto, e ele ainda quiser namorar com ela? Talvez,… apenas talvez… vou permitir que ele leve a minha Bitty até à cozinha lá em baixo e tome uma chávena de chocolate quente com ela. Talvez.

Qhuinn: *a acenar* Parece-me bem. O V pode fazer vigia através dos monitores.

Rhage: Exactamente. E eu vou estar de baixo da mesa. Com o tornozelo do b*stardo na minha boca.

Blay: Estão a dizer que as vossas filhas não são espertas o suficiente para verem através dos palhaços? Que vocês não as vão criar para que têm auto-consciência, auto-estima e bastante valor pessoal? Que vocês têm tão pouco respeito e consideração pela autonomia delas e habilidade de conduzirem as suas próprias vidas que vocês são ficar atrás delas como senhores da guerra a proteger de uma fraqueza que apenas vocês percebem que elas têm? Pela vida toda delas?

Rhage: *inclina-se para a frente* Não, estou a dizer que a Bitty é o meu coração a bater fora do c*ralho do meu corpo e que o mundo está cheio de rapazes de m*rda e aberrações que não a valorizam como eu o faço. Eu olho por mim e pelo que é meu e nunca irei desculpar-me por isso ou fingir que a violência contra as fêmeas não é uma realidade neste mundo. Eu amo a minha filha e eu confio nela para tomar conta de si… o que eu não confio, o que eu nunca irei confiar, é um estranho que entra na vida dela com um pênis nas calças e uma ideia genial na cabeça dele. Agora, toda a gente e os tios deles são pelo empoderamento e isso é fantástico. Eu apoio-o completamente. Mas que f*des com a minha filha, estás a pegar na tua vida com as tuas mãos, e nenhuma quantidade da “auto-actualização” da sociedade vai mudar o facto de que se tu a magoares, vou colocar-te num C*RALHO DE UM CAIXÃO.

Blay: * inclina-se para a frente* Vou-te dizer isto aqui e agora, e eu digo-o com todo o respeito, por favor quero que saibas…que vai haver um momento quando irás ter que dar um passo atrás e deixar que a Bitty viva a sua própria vida. Ou ainda a vais perder. Eu percebo-te com a coisa da proteção. Mas tens que te perguntar a ti mesmo, estás a protegê-la… ou estás a tentar salvar-te de admitir que ele não é apenas a tua filha, mas uma fêmea madura que tem o direito de fazer as próprias escolhas. Não a podes manter uma menina pequena para sempre, Rhage. E ela não pode ser exclusivamente tua, como a Mary é. Ela não é algo que possas trancar numa cave só porque não aguentas vê-la crescer e maturar…

Rhage: *põe-se em pé num salto**mostra os caninos* Vai-te f*der…

Xcor: *mete-se no meio deles e segura no Rhage* Calminha…

Qhuinn: *protege o Blay* Rhage, tens que te acalmar…

Rhage: *espeta um dedo no Blay**voz volumosa* Tenta essa m*rda com a tua própria filha, está bem? Tenta imaginá-la violada e descartada no meio da rua porque ela saiu com um macho que ela pensava que era um bom tipo e tu confiaste na m*rda do “ela sabe tomar conta dela própria” e ele f*deu-a toda! Estou-te a dizer isto, aqui e agora, vai haver um momento quando alguém faz alguma coisa merdosa à Lyric e vai querer f*de-lo até ele sangrar do rabo e precisar de um desgraçado de um transplante de fígado porque foste atrás dele com um pé de cabra! Veste-te na retórica da auto-estima aquilo que quiseres, mas espera até a Lyric estar fora e sozinha toda a noite e vê como que c*ralho é que te sentes na altura…

Beth: Chega! Isto foi longe de mais! *à medida que o Rhage se acalma, vozes mais baixas* Acho que precisamos de nos acalmar aqui. Meu, nós… uau. Está bem, então aquilo aconteceu.

*silencio**respirações pesadas por todo o lado*

Blay: Oh, meu Deus.

Rhage: O quê. *os olhos brilham* Di-lo. Di-lo m*rda…

Blay: Obrigado. *empurra o Qhuinn para fora do caminho* Obrigado, oh, Deus…

Rhage: *parvo**afasta-se do Xcor* Desculpa? Porquê…????

Blay: *abraça o Rhage* Tu és o melhor.

Rhage: *olha para o Qhuinn**gestiona com as mãos, todo WTF?* Um… Eu ainda agora ia-te esfaquear? Queres ser esfaqueado? Há alguma coisa que precises de falar com a Mary, tipo és suicida ou…

Blay *fecha os olhos* Por dizeres que a Lyric é minha filha. Por me deixares estar dentro disto como um verdadeiro pai.

Rhage: *levanta uma sobrancelha* Do que é que estás a falar? Tu és um pai de verdade? Tal como eu? Não percebo. O que é que me está a escapar?

Blay: *afasta-se um bocado* *os olhos brilham com lágrimas* Tu e eu estamos em lados diferentes da discussão, mas eu realmente… estava à espera que me dissesses que a minha opinião não contava porque eu sou só um padrasto.

Rhage: Oh, Deus não. *faz o sinal de tanto faz com a mão da adaga* Olha, estás errado em relação à coisa dos encontros. E nós vamos discutir bem mais sobre o assunto. Mas uma coisa que nunca questiono é que tu és pai dela… tal como o Xcor o é. Tal como o Qhuinn é. O nascimento apenas é parte disso. Aprendi isso quando adoptei a Bitty. O que é importante é aparecer todas as noites e amá-los com a melhor das nossas capacidades. A concepção e o nascimento de algumas maneiras é a parte mais fácil.

Blay: *esfrega os olhos* Obrigado. Significa tanto para mim. Obrigado.
*grande abraço entre eles**alguém funga, mas ninguém admite quem**o Qhuinn esfrega as costas do companheiro*

Z: *do sofá* É tudo apenas hipotético de qualquer maneira.
*todos olham para o Z*

Rhage: Porquê? *vira-se e funga**volta a virar-se* Porque vamos matar todos os machos com idade para sair?

Xcor: Isso iria requerer algum esforço, mas alinho.

Qhuinn: Há três de nós, contudo. Partilha a carga.

Xcor: Podemos fazer isto…

Z: *encolhe os ombros* Estamos a imaginar que vai acontecer o pior. Que um canalha incompetente vai aparecer à porta das nossas filhas com uma erecção, um livro negro cheio de nomes de outras fêmeas e um canivete escondido no bolso do c*. Estamos a ficar agressivos agora porque estamos apenas a olhar o nosso pior medo na cara, e não a encontrar os olhos de um macho vivo e a respirar que realmente se importa com as nossas filhas. É fácil bater no peito e ser todo duro na teoria. Mas quando elas finalmente trouxerem alguém cá a casa, quem sabe… talvez realmente cheguemos a gostar do c*ralho do desgraçado.

Rhage: *coloca as mãos na cintura* Houve, Z, se vais continuar a fazer sentido assim, vou ter que deixar de andar contigo.

Z: *a levantar-se* Nunca vou gostar disso. Mas talvez consiga aprender a viver com isso se isso fizer a Nalla feliz. Eu acho que esse é o ponto do Blay. Ou pelo menos parte dele. Não sei. Doí-me a cabeça.

Beth: *do canto* Sabem que mais, não ia colocar os meus dois cêntimos na coisa, excepto para parar vocês os dois de se matarem. Mas, só para que vocês fiquem cientes, eu planeio em educar o meu filho para ser o tipo de macho que eu gostaria de estar com se eu fosse uma fêmea da idade dele.

Rhage: Então antes de conheceres o Wrath, querias estar com um psicopata com um gatilho muito fino, o vocabulário de um Nova Iorquino, e uma voz que faz com que os testículos de machos crescidos cheguem à cintura pélvica como se tivessem sido ameaçados com o final do negócio de produção de bovinos?

Beth: Bem, quando o colocas assim… *abana a cabeça para voltar ao assunto* Quero dizer, concordo com o que o Z está a dizer. Eu apenas quero que o L.W. seja o tipo de macho que os pais iriam gostar. Apenas isso.

*silêncio longo*

Rhage: *pragueja* Parece que temos todos que passar por isso.

Blay: Ámen para isso. Pelo menos temo-nos uns aos outros.

Rhage: E tacos. Quem quer? *o consenso é um grande sim* Vamos comer.


(Editado para adicionar: Enquanto o grupo saiu junto, o Rhage colocou o braço à volta do ombro do Blay e o Blay fez o mesmo. É uma boa lembrança de que mesmo que não concordem um com o outro, a família ainda se mantém… e mastiga… junta! Mas fogo, vai ser um longo caminho até isto ficar resolvido, estou-vos a dizer.)

----

E então? Temos o Blay a voz da razão e depois temos todos os outros... XD

Quero só dizer que fiquei comovida com a conclusão que o Z tirou após ouvir o Blay. :)

Artigos anteriores:

1 comentários:

Vai ser lindo este super pais com as suas filhas .....
Elas vão sofrer um bocadinho ou eles eheheheh .......
Muito bom Mesmo.